É proibida a reprodução não autorizada dos textos deste blog, de acordo com a Lei nº9.610, de 19 de fevereiro de 1998, que regula os direitos autorais.

Apresentação

Este blog nasceu no blog Janela das Loucas, onde assinava "Diva Latívia". Ali permaneci durante muito tempo, como autora principal das crônicas do blog. Redescobri que escrever é vital pra mim, guiada e editada por Abílio Manoel, cantor, compositor, cineasta e meu querido amigo. O Janela das Loucas não existe mais, Abílio foi embora pro Céu. Escrevo porque tenho esse dom divino, mas devo ao Abílio este blog, devo ao Abílio a saudade que me acompanha diariamente. Fiz e faço deste blog uma homenagem a aquele que se tornou meu irmão, de alma e coração. Aqui o tema é variado: cotidiano, relacionamentos e comportamento, em prosa e versos.







24 de abr de 2010

AO MEU PAR


Dizem que há dezoito milhões de criaturas perambulando pelo Brejo. Entre elas, Diva Latívia, contadora de histórias e estórias.
Quando perguntam há quanto tempo estou sozinha, penso no dia 30 de janeiro de 1961. A data do meu nascimento. Cheguei sozinha ao mundo. Uma aventura esta vida.
Estou sozinha há 49 anos.
Temperamento forte, ânsia por liberdade, avessa a tudo o que é fútil ou banal. Já fui casada, mas afinidade de alma é mais do que casamento com véu e grinalda, é igualdade! E isso eu procuro sem expectativa, mas sempre estive e continuo atenta. Existe essa alma afim, mas eu sei, ele está longe fisicamente de mim, não é um vizinho de bairro, nem é um colega de profissão. Um astronauta, talvez.
Difícil estar sozinha, muito mais difícil estar longe dele. De vez em quando preparo algum prato especial. Pra mim. Ao sentar-me à mesa penso nessa criaturinha, no quanto gostaria que estivesse sentado ao meu lado e fizéssemos um brinde ao nosso encontro, ou reencontro. Algo me diz que viemos do mesmo planeta, da mesma cidade espiritual ou da mesma constelação.
Mesmo sem ter jamais respirado o mesmo ar que ele está em algum lugar respirando, eu o sinto presente, ao meu lado. Um chinês, talvez. Um árabe que caminha pelo deserto do Saara, pode ser. Um africano descendente de príncipes que foram escravizados há séculos, quem sabe? Tudo o que sei é que ele tem asas, feito eu. E voa ao meu encontro quando a saudade aperta o coração.
Nos meus sonhos, ele me acalenta em seus braços fortes. Quantas vezes eu tentei sintonizar minha alma com a dele? Incontáveis as vezes. E eu sempre tenho resposta, naquele instante ele pensa em mim e minha alma ganha um beijo e um abraço.
Os espíritas acreditam que ele esteja em outro plano. Por que não? Talvez esteja me esperando entre nuvens. A única certeza que tenho é que ele existe e vamos nos encontrar. Livres, sem elos senão o afeto autêntico que nos une desde agora, vamos dar as mãos um ao outro e continuar a caminhada, infinitamente. Somos dois, mas juntos seremos apenas um.
Saudade, hoje senti muita saudade de você, meu amor, meu par, quero muito te reencontrar. Isso acontecerá no primeiro olhar. Vamos nos reconhecer e tudo será diferente, não estaremos sozinhos mais. Um dia...
Este texto é seu. Pra você, onde você estiver, meu par!

Um comentário:

Isis disse...

Sensacional !!!!
É bem isso mesmo, num determinado instante ele pensa em mim, e minha alma ganha um beijo e um abraço.....
Quanto romantismo...adoro isso!!!
Beijo

Postar um comentário

Deixe aqui o seu comentário!