É proibida a reprodução não autorizada dos textos deste blog, de acordo com a Lei nº9.610, de 19 de fevereiro de 1998, que regula os direitos autorais.

Apresentação

Este blog nasceu no blog Janela das Loucas, onde assinava "Diva Latívia". Ali permaneci durante muito tempo, como autora principal das crônicas do blog. Redescobri que escrever é vital pra mim, guiada e editada por Abílio Manoel, cantor, compositor, cineasta e meu querido amigo. O Janela das Loucas não existe mais, Abílio foi embora pro Céu. Escrevo porque tenho esse dom divino, mas devo ao Abílio este blog, devo ao Abílio a saudade que me acompanha diariamente. Fiz e faço deste blog uma homenagem a aquele que se tornou meu irmão, de alma e coração. Aqui o tema é variado: cotidiano, relacionamentos e comportamento, em prosa e versos.







22 de mai de 2010

A PECAMINOSA INVEJA



De todos os sentimentos que um ser pode trazer dentro de si, creio o pior de todos é a inveja. Aquela coisa de querer tomar o que é nosso, de desejar o mal de quem está feliz, de não suportar a felicidade alheia. Infelizmente, isso existe por aí aos montes.
O invejoso costuma não ter a menor competência pra administrar a própria vida. Alguém seco de alma, tem o desejo de arrancar flores do nosso jardim, com atitudes, pensamentos e palavras.
Digno de piedade, mas merecedor de uma boa lição de vida, esse ser nocivo está em toda a parte. Atrás de um computador, em meio à multidão. Pra mim, o invejoso faz parte de um grupo de risco: os psicopatas. Faz o mal deliberadamente, não tem consciência.
Costuma ter inveja do casamento de alguém, da beleza, do sucesso, do namoro, da alegria, da poesia, das flores, das fotos. É capaz de secar pimenteira.
Isso me faz lembrar aquele dizer: quero que meus inimigos sobrevivam pra assistirem à minha vitória. Longa vida aos invejosos!
E quem nunca foi vítima da inveja? Aquela garotinha chata do colégio que tentava roubar os lápis de cor do nosso estojinho, a mocinha que tentou tomar o namorado da gente, a vizinha fuxiqueira. E o invejoso sabe desdenhar melhor do que ninguém. Olha a beleza e coloca defeito. Lê a poesia e chama de ilusão. Descobre um novo relacionamento da gente e a primeira palavra que profere é “cuidado”, isso seguido de um “não vai dar certo”.
Pobre coitado, o invejoso. Seu veneno com sabor de fel, corrói suas entranhas e destrói a própria alma. Enquanto cobiça o bem alheio, deixa de acrescentar vida aos seus dias.
Dizem que a inveja é verde. Fulano ficou verde de inveja. Não sei, a cor eu acho muito bonita. Se tamanha pobreza de alma tem cor, acredito que seja cinza, cor de rato.
Com seu olhar opaco, sorriso amarelo, pensamentos maléficos, nem sempre ele consegue passar incólume. Sempre deixa seu rastro por onde passa, um rastro obscuro e viscoso. Por vezes, anônimo. O invejoso não mostra a sua face, antes do seu rosto chega a sua energia ácida, carecedora de um envelope de sal de frutas, pra combater a azia.
Contra o mau-olhado, dá-lhe reza brava! E que sejamos todos protegidos contra essa gente, incapaz de acreditar em si e olhar a vida com docilidade e ternura.
Um dos sete pecados capitais. E que o Céu nos proteja de todo o mal. Amém!

Um comentário:

ISIS disse...

Realmente a pessoa invejosa é digna de piedade, pois não sabe e não consegue ser feliz...
Só consegue ver tudo cinza mesmo...perfeita a cor que vc deu a esse sentimento tão feio....
Parabéns pelo texto...
E que essas pessoas consigam superar essa inveja....para que possam ser felizes um dia...
Beijo !

Postar um comentário

Deixe aqui o seu comentário!