É proibida a reprodução não autorizada dos textos deste blog, de acordo com a Lei nº9.610, de 19 de fevereiro de 1998, que regula os direitos autorais.

Apresentação

Este blog nasceu no blog Janela das Loucas, onde assinava "Diva Latívia". Ali permaneci durante muito tempo, como autora principal das crônicas do blog. Redescobri que escrever é vital pra mim, guiada e editada por Abílio Manoel, cantor, compositor, cineasta e meu querido amigo. O Janela das Loucas não existe mais, Abílio foi embora pro Céu. Escrevo porque tenho esse dom divino, mas devo ao Abílio este blog, devo ao Abílio a saudade que me acompanha diariamente. Fiz e faço deste blog uma homenagem a aquele que se tornou meu irmão, de alma e coração. Aqui o tema é variado: cotidiano, relacionamentos e comportamento, em prosa e versos.







4 de mai de 2010

SONHOS DE UMA NOITE DE OUTONO


Acho que Tom e Jerry formaram uma dupla muito mais interessante que Romeu e Julieta. Tirando o falso suicídio da dupla de Shakespeare – que teve resultado trágico – tudo o mais naquela estória foi puro melado com muito açúcar.
Tremendo trapalhão, doce vilão, Tom, o gato, costuma levar a pior. Entre tramas divertidas, o jogo daqueles dois termina quase sempre a favor do ratinho Jerry. Aparentemente frágil, ele é o cérebro e a força. Tom pode parecer um bobalhão, mas é o lado doce e ingênuo. Incauto! Gosto mais do Tom, um felino divino. Aqueles dois se adoram e um não vive sem o outro. Uma dupla sensacional.
Já Romeu... Bem que podia ter se apaixonado por outra donzela, menos cheia de fricotes e muito mais ao seu alcance, foi logo escolher a chata da Julieta!
E o romantismo da Diva, cadê? Claro que também sou romântica, mas inteligência ainda é afrodisíaco e bom-humor, idem.
Tem graça um homem ser óbvio, muito certinho, dizer a frase certa, fazer a cena esperada? Nem sempre. Posso provar isso. Quem me conhece sabe que eu ando na contramão o tempo todo. Adoro desafios.
Acho que tudo tem seu momento certo. De vez em quando prefiro o canto da cotovia e me sinto a própria Julieta, ou seja, a própria mala sem alça. Uma dualidade que só mesmo as mulheres podem dar-se ao luxo de ter.
Paixão lembra queijo na ratoeira. Pega-pega e corre-corre. O risco é perder a cabeça. Ceninhas de ciúme, briguinhas por conta de bobagens, tudo com uma espetacular reconciliação no final de semana. Já falou um escritor: a pessoa certa é a pessoa errada, aquela que te faz perder o juízo.
Ah, mas é bom ter paz. Claro que é bom ter paz, mas paz é estado de alma. Pasmaceira é rotina! Acho bom não confundir uma coisa com a outra.
Acho que meu par ideal tem o jeitinho do Tom, os ombros largos de Romeu, ao pensar em mim trama algum plano estratégico digno de Jerry e é capaz de cometer desatinos, tal e qual fez a Julieta, que por sinal, errou na dose e morreu!
Misturando isso tudo com essências suaves ( esqueçam o suave veneno), eis meu par mais do que perfeito. Só falta desenhar nele olhos muito verdes, um sorriso de garoto e seremos felizes para sempre.
Posso batizar meu delírio romântico de Sonhos de Uma Noite de Outono. E que Shakespeare não puxe meu pé à noite, assim espero.

3 comentários:

Anônimo disse...

Entrei aqui por acaso,e li todos os seus textos(sou um escritor curioso),esse sem dúvida é o melhor de todos em estilo e gramática.Está de parabéns!Fugiu das mesmices dos assuntos.

PC

Isis disse...

Adorei esse texto....diferente...
E realmente é lindo...misturando tudo isso, só falta desenhar nele olhos verdes e sorriso de garoto...
Maravilhoso!!!!!
Parabéns Diva....

Beijo

Cláudia disse...

Olá, PC!

Obrigada, percebo que, feito eu, você também é fã de Tom e Jerry e, certamente, também acha Julieta uma chata! rsss
Bom demais saber que meu blog está sendo lido, que meus textos estão agradando mais e mais leitores.

Cláudia

Postar um comentário

Deixe aqui o seu comentário!