É proibida a reprodução não autorizada dos textos deste blog, de acordo com a Lei nº9.610, de 19 de fevereiro de 1998, que regula os direitos autorais.

Apresentação

Este blog nasceu no blog Janela das Loucas, onde assinava "Diva Latívia". Ali permaneci durante muito tempo, como autora principal das crônicas do blog. Redescobri que escrever é vital pra mim, guiada e editada por Abílio Manoel, cantor, compositor, cineasta e meu querido amigo. O Janela das Loucas não existe mais, Abílio foi embora pro Céu. Escrevo porque tenho esse dom divino, mas devo ao Abílio este blog, devo ao Abílio a saudade que me acompanha diariamente. Fiz e faço deste blog uma homenagem a aquele que se tornou meu irmão, de alma e coração. Aqui o tema é variado: cotidiano, relacionamentos e comportamento, em prosa e versos.







18 de set de 2010

BREVIDADE


Acomodei-me na cadeira, o computador diante de mim. Tirei os óculos, estiquei o corpo. Falei sozinha: - ai, vida!
Estive relendo no histórico do MSN a longa troca de mensagens com meu amigo Abílio.
Anos de amizade, dois blogs - entre eles este aqui. Muitos planos, muitos sonhos, cumplicidade, carinho, respeito. E ele, sem aviso prévio, morreu.
Reli a nossa última conversa, ele em "lua-de-papel" em Itacaré. Tinha encontrado a Geanni, com quem pretendia viver um longo e feliz relacionamento. Voltariam dentro de dois dias. Abílio não voltou.
Lembrei do nosso último abraço, na porta da minha casa. Disse o seguinte: - Vamos nos encontrar muitas vezes ainda.
Sinceramente, minha fé passou por uma prova de fogo após esse episódio. Durante algum tempo eu me recusei a entrar na igreja que frequento. Olhei muitas vezes pro céu, tentando dimensionar o tamanho do infinito. Não mais depositei flores no túmulo da minha mãe, não mais fiz o sinal da cruz. Nada. Prepotência de minha parte, provavelmente.
Assim prossegui até o dia que meu namorado me pegou pelas mãos e me conduziu até à igreja. Lá a emoção tomou conta de mim, estava na casa do Cara, aquele que conhece todas as minhas tristezas, medos, esperanças. O mesmo que levou embora o Abílio pra algum lugar. Foi nesse dia que sepultei meu amigo, finalmente. Eu o deixei ir.
Morte física, fragilidade, finitude. É por isso que decidi escrever mais, amar de peito aberto, cortei os cabelos, passei a andar descalça mais vezes, rir muito de mim mesma e me esforço pra perdoar os erros meus e alheios.
Não há tempo a perder. Vida breve!

Um comentário:

Victor Manuel disse...

É verdade!... O tempo voa!... Voa!...

Postar um comentário

Deixe aqui o seu comentário!