É proibida a reprodução não autorizada dos textos deste blog, de acordo com a Lei nº9.610, de 19 de fevereiro de 1998, que regula os direitos autorais.

Apresentação

Este blog nasceu no blog Janela das Loucas, onde assinava "Diva Latívia". Ali permaneci durante muito tempo, como autora principal das crônicas do blog. Redescobri que escrever é vital pra mim, guiada e editada por Abílio Manoel, cantor, compositor, cineasta e meu querido amigo. O Janela das Loucas não existe mais, Abílio foi embora pro Céu. Escrevo porque tenho esse dom divino, mas devo ao Abílio este blog, devo ao Abílio a saudade que me acompanha diariamente. Fiz e faço deste blog uma homenagem a aquele que se tornou meu irmão, de alma e coração. Aqui o tema é variado: cotidiano, relacionamentos e comportamento, em prosa e versos.







5 de nov de 2010

ACOMPANHADOS, PORÉM SÓS


Histórias felizes não têm final. Amor de verdade não termina. Gente que é gente pra valer não se transforma pra pior com o passar do tempo.
Decepções. Acho que somente nos decepcionamos quando depositamos esperança vã em um projeto ou em alguém. Ilusão. O faz de conta que está bem... Quem sabe isso mude? Quem sabe aquele alguém mude? A peneira na frente do sol. E, um dia, quando tudo aquilo o que foi sonhado se desfaz, vem o final infeliz.
Relacionar-se a dois só faz sentido se houver total cumplicidade. Não ver sentido em divertir-se longe daquele alguém. Não me refiro à individualidade que temos, ao mínimo de privacidade que todos precisamos ter, ainda que dentro de um namoro ou casamento. Eu me refiro à alegria de viver, ao pouco tempo que sobra em um final de semana, feriado, noites, férias. Difícil entender como que alguém prefere divertir-se sozinho ou com amigos e exclui seu par. Não entendo, porque eu não sou assim!
A correria da semana, o trabalho, família, afazeres tantos. Chega a sexta-feira e o que sobra, além do cansaço, é a oportunidade de aproveitar até domingo. É decepcionante passar um final de semana praticamente sozinho, ainda que casado ou namorando. E o par, cadê? Inventou algo pra fazer bem longe, ou até pertinho, mas sozinho ou sei lá com quem, mas sem você. E disso faz uma rotina, diversão é algo que não te inclui.
Recebo e-mails de leitores que enviam relatos, histórias pessoais. Inspiração pra novos textos. Nem sempre consigo escrever algo a partir desses desabafos e revelações muitas. Porém, algumas vezes eu vejo o filme da minha vida passar diante de mim, ao ler esses depoimentos todos. Quantos finais de semana passei sozinha? Quantos dias, noites, quantas horas? E me sinto muito solitária e triste quando entendo que ter um par é mais que dizer-se acompanhada. É ter um cúmplice na vida, que sem você não encontra graça.
Decepção é o resultado do excesso de expectativa. Ter os pés no chão e não esperar muito é o antídoto. Missão difícil que endurece o coração e torna a alma triste e com vontade de voar. Assim é a vida para os solitários ( ainda que acompanhados) e que buscam uma história sem final e muito feliz.

2 comentários:

'Glenda Barros disse...

A gente peca quando depositamos no outro a razão pra sermos felizes. Acho que devemos ser felizes independentemente do outro, não o excluindo, mas o colocando não como um motivo e sim como um parceiro pra viver junto com vc a sua felicidade...

lindo texto...

Vc sempre me ensina muitoooo...

beijos

Cláudia disse...

Glenda,

Minha mãe dizia algo sobre isso: ninguém é o sol da praia de ninguém.
Acho que o certo é buscarmos a felicidade dentro de nós e não em outras pessoas. Quem é feliz entrega e recebe felicidade. Sem pesar nos ombros de ninguém, sem esperar algo impossível.
Você, tão jovem e tão madura! Parabéns.
Beijo

Postar um comentário

Deixe aqui o seu comentário!