É proibida a reprodução não autorizada dos textos deste blog, de acordo com a Lei nº9.610, de 19 de fevereiro de 1998, que regula os direitos autorais.

Apresentação

Este blog nasceu no blog Janela das Loucas, onde assinava "Diva Latívia". Ali permaneci durante muito tempo, como autora principal das crônicas do blog. Redescobri que escrever é vital pra mim, guiada e editada por Abílio Manoel, cantor, compositor, cineasta e meu querido amigo. O Janela das Loucas não existe mais, Abílio foi embora pro Céu. Escrevo porque tenho esse dom divino, mas devo ao Abílio este blog, devo ao Abílio a saudade que me acompanha diariamente. Fiz e faço deste blog uma homenagem a aquele que se tornou meu irmão, de alma e coração. Aqui o tema é variado: cotidiano, relacionamentos e comportamento, em prosa e versos.







10 de dez de 2010

FIDELIDADE, REFLEXO DE AMOR


Quando as feridas do passado se abrem, difícil se torna o presente. O futuro fica mais distante e tudo isso se resume em falta de esperança. Quem já foi traída – a maioria das mulheres algum dia foi traída – dificilmente volta a recuperar-se 100% dessa amargura. Insegurança!
Homens apreciam a beleza feminina. Olham, discretamente ou não. Quando se reúnem em turma, em rodas de cerveja, o assunto costuma ser nada menos que nós, as mulheres.
Tanta vulgarização do corpo. O comportamento feminino mudou muito ao longo das últimas décadas. O sexo tornou-se banal, instrumento de conquista, algo prazeroso e sem culpa. Uma oferta que, antigamente, era reservada ao casamento. Hoje, transar é bom e não gera qualquer tipo de compromisso com o parceiro ou a parceira. Ter um relacionamento sério, comprometer-se com alguém, deveria ter um selo de total exclusividade sexual e afetiva. Um pra um, um pro outro.
Estava outro dia em uma igreja perto da minha casa. No final de um dia difícil decidi fazer uma oração e lá entrei. Quando saí, na praça em frente à igreja, havia um bando de pombas. Notei um casal, parecia beijar-se. Era tanto paparico, tanto mimo, tanto carinho. E, sabemos, quando um dos dois morre o outro permanece sozinho, apesar de continuar vivendo em bando.
Por que o ser humano não consegue ser assim? Por que os homens, em sua maioria, não conseguem ser exclusivos de suas parceiras? Com o passar do tempo todo o jogo da conquista torna-se velharia, algo jogado em algum canto. Cansaço, trabalho, problemas diários. Então, a gostosa da capa da revista torna-se fantasia e objeto de cobiça. A moça bonita que passou por ele na rua merece seu olhar e elogios. Escapadinhas, fugidinhas. E a namorada, esposa? Com sorte terá recebido um prêmio: boa companheira, quase uma irmã.
Perder o interesse pelo par. Deveria haver um alarme que tocasse alto quando isso começa a acontecer. Talvez aconteça esse sinal. Não sentir prazer, não desejar momentos a sós, não incluir a pessoa em planos futuros, o coração que já não pulsa acelerado. Esse é o alarme e, depois disso, tudo começa a cair em um abismo, ladeira abaixo.
Quem já se separou, se friamente analisar quando foi que isso tudo começou, quando foi que o cristal quebrou, vai lembrar que antes ocorreram sinais de perigo. Reuniões de trabalho além do horário habitual, clientes de última hora, viagens comerciais inventadas, invenções tantas e muitas. Isso de ambas as partes. Já era o tempo em que a mulher dizia que estava com dor de cabeça, hoje a dor de cabeça é masculina também.
O preço disso tudo é solidão. A troca constante de parceiros em busca do impossível. Não está em outrem aquilo o que se almeja, mas dentro de si. A felicidade reside dentro de nós mesmos e, compartilhando com alguém essa felicidade interior, nos tornamos realizados.
Ser fiel não é enfadonho, ser fiel não é tolice. É essencial pra quem busca um relacionamento sério. Escolha acertada de quem sabe quem quer e pra onde está caminhando. Livremente ser fiel.
Medo de compromisso, sinal de imaturidade. Amor é coisa pra gente grande. Moleques merecem brinquedos e não mulheres de verdade. Enxergar na companheira algo além de companhia, ver na esposa ou namorada a gostosa que está ao seu lado e valorizá-la por ser “sua”, isso alimenta o dia-a-dia e salva o relacionamento.
Que os alarmes toquem alto quando algo começar a sair errado. E que, no primeiro alarme, o casal acerte o passo. É o que desejo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe aqui o seu comentário!