É proibida a reprodução não autorizada dos textos deste blog, de acordo com a Lei nº9.610, de 19 de fevereiro de 1998, que regula os direitos autorais.

Apresentação

Este blog nasceu no blog Janela das Loucas, onde assinava "Diva Latívia". Ali permaneci durante muito tempo, como autora principal das crônicas do blog. Redescobri que escrever é vital pra mim, guiada e editada por Abílio Manoel, cantor, compositor, cineasta e meu querido amigo. O Janela das Loucas não existe mais, Abílio foi embora pro Céu. Escrevo porque tenho esse dom divino, mas devo ao Abílio este blog, devo ao Abílio a saudade que me acompanha diariamente. Fiz e faço deste blog uma homenagem a aquele que se tornou meu irmão, de alma e coração. Aqui o tema é variado: cotidiano, relacionamentos e comportamento, em prosa e versos.







8 de abr de 2011

1 ANO DE BLOG!


Este blog está completando 1 ano. Dia 11 de abril de 2010, um domingo, estava em casa sozinha. Na época eu escrevia para o blog Janela das Loucas, do meu saudoso amigo Abílio Manoel. Há tempos eu tinha a intenção de ter o meu próprio blog, para escrever tudo aquilo o que desse na minha telha. O impulso, típico da autora que assina Diva Latívia, foi quase mágico. Em menos de uma hora eu já tinha escrito o primeiro texto e arriscava aprender toda essa parafernália que é a configuração de um blog. Dias depois, Abílio sempre amigo e generoso, arrumou o layout, consertou pequenos problemas e cá estamos, com mais de 12 mil acessos.
O primeiro texto que escrevi, talvez movida pela solidão daquele domingo, talvez por ser muito sensível e já estar sintonizando a proximidade de alguém ( Divo, que somente conheci meses depois), chegou ao meu teclado carregado de dor, ausência, desejo de virar a página.
Aqui está, mais uma vez, Errática e Gramática, meu primeiro texto neste blog. A você, leitor, leitora, obrigada por derramar seu olhar sobre meus textos.

Diva Latívia


ERRÁTICA E GRAMÁTICA

Quando ela se fartou decidiu dar fim a tantas reticências...
Entre vírgulas o chamou. Surgiu um ponto de interrogação.
Em negrito e letras maiúsculas proferiu seu ultimato: ele deveria definir-se.
Abriu aspas e pontuou as entrelinhas.
O travessão foi bem colocado entre uma frase e outra.
Incrédula, escutou uma exclamação, ele não queria ser cobrado.
Abriu parênteses e definiu os limites do relacionamento.
Buscou um adjetivo que traduzisse seu desapontamento.
Dor talvez fosse antônimo de amor.
Desligou o celular e, sem despedir-se, atirou o objeto direto na parede.
O sujeito, agora sem muitos predicados, silenciou.
Sentimento singular, ao seu lado na cama um espaço vazio.
Lembrou-se dos momentos plurais.
Conjugou o verbo chorar e, quando secou a última lágrima, colocou um ponto final.
Foi adeus.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe aqui o seu comentário!