É proibida a reprodução não autorizada dos textos deste blog, de acordo com a Lei nº9.610, de 19 de fevereiro de 1998, que regula os direitos autorais.

Apresentação

Este blog nasceu no blog Janela das Loucas, onde assinava "Diva Latívia". Ali permaneci durante muito tempo, como autora principal das crônicas do blog. Redescobri que escrever é vital pra mim, guiada e editada por Abílio Manoel, cantor, compositor, cineasta e meu querido amigo. O Janela das Loucas não existe mais, Abílio foi embora pro Céu. Escrevo porque tenho esse dom divino, mas devo ao Abílio este blog, devo ao Abílio a saudade que me acompanha diariamente. Fiz e faço deste blog uma homenagem a aquele que se tornou meu irmão, de alma e coração. Aqui o tema é variado: cotidiano, relacionamentos e comportamento, em prosa e versos.







25 de abr de 2011

SEMANINHA


Deve ser o efeito pós-feriado prolongado. É! Deve ser o day after. Amanheci com a alma em tirinhas, tal e qual retalhos que esperam um destino qualquer.
Mirei o céu, observei as nuvens. Fiz o possível pra não encarar a segunda-feira como ela é. Banco, contas, chefe(s), pressão alta, pressão baixa, haja coração! Lembrei da declaração do imposto de renda. Corri! Mandei! Certa ou errada, cliquei e já era, seguiu pra base de dados da Receita Federal. Ufa! Não imprimi. Impressora deu o chamado pau. Pauleira a segunda-feira.
Comecei e terminei a dieta alimentar. Minha valiosa ajudante do lar, indiferente aos meus apelos dietéticos, preparou torresminho, aquela pururuca engordativa e avessa à minha necessidade de ser leve e então voar.
Papéis ao meu redor. Tantos que eu poderia fazer picadinho de boletos de pagamento, documentos importantes, compromissos impressos com data marcada. Poderia fazer uma batalha de confetes e rir, enlouquecer, riscar do calendário este dia da semana. Abril já se vai, indiferente ao tempo que passou. Hoje, de novo, segunda-feira!
Domingos, ainda que pascais, significam a véspera desse dia fatídico. A musiquinha, aquela do Fantástico ( É Fantástico... Tóim!), desde os idos tempos de colégio, tempos de prova de matemática, detesto segunda-feira. O dia passa arrastado, a adaptação à realidade finge ser novata, como se outras milhares de segundas-feiras não a tivessem precedido. Domingo é a véspera, eita dia enjoado. Esse também não passa, tem sabor de final de festa, coxinha fria, brigadeiro grudado no tapete da sala. Inhaca! Não gosto de domingo também.
A minha semana começa na noite de terça-feira, véspera de quarta-feira. Metade da semana, menos mal assim. O apogeu da semana, a verdadeira apoteose, é a manhã de sexta-feira. O melhor da festa é a véspera. Expectativa, como será o final de semana? Por fim, o sábado chega feito recheio gostoso e depressa se vai. Lá vem de novo o entojado domingo, avisando que amanhã a magia estará desfeita. E, creiam, nasci em uma segunda-feira, talvez pra ser do contra. Coisas de Diva.
Com o olhar ao estilo farol baixo, despeço-me. Ainda há muita lenha pra queimar antes da sexta-feira voltar. E que chegue logo, com a promessa de demorar-se e trazer puxando pelas mãos um longo sábado.
De volta à realidade, terminou o meu horário de almoço, sob a mira do resto do dia. Deixem-me cuidar da papelada, respirar fundo e enfrentar o resto da jornada. Dá-lhe sebo nas canelas, pousei forçado neste voo inoportuno.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe aqui o seu comentário!