É proibida a reprodução não autorizada dos textos deste blog, de acordo com a Lei nº9.610, de 19 de fevereiro de 1998, que regula os direitos autorais.

Apresentação

Este blog nasceu no blog Janela das Loucas, onde assinava "Diva Latívia". Ali permaneci durante muito tempo, como autora principal das crônicas do blog. Redescobri que escrever é vital pra mim, guiada e editada por Abílio Manoel, cantor, compositor, cineasta e meu querido amigo. O Janela das Loucas não existe mais, Abílio foi embora pro Céu. Escrevo porque tenho esse dom divino, mas devo ao Abílio este blog, devo ao Abílio a saudade que me acompanha diariamente. Fiz e faço deste blog uma homenagem a aquele que se tornou meu irmão, de alma e coração. Aqui o tema é variado: cotidiano, relacionamentos e comportamento, em prosa e versos.







27 de jun de 2011

BARRIGA? QUE BARRIGA?!


Tem um anúncio aqui, no meu blog. Algo sobre como perder a barriga. Nem cliquei pra descobrir o tamanho do milagre qual é. Sei que, pra perder a barriga, é preciso emagrecer, exercitar-se ou então submeter-se a uma lipoaspiração. Suar, suportar, encolher, privar-se de coisas boas e gostosas. Porém, não ter barriga deve ser maravilhoso!
Andei pensando na lipoaspiração. Fui conversar com o meu médico. Papo vai, papo vem, comentei algo sobre “entrar na faca” e eliminar as gordurinhas extras. Ele me olhou bem sério, perguntou se eu não me importaria de ter a marca de uma cicatriz enorme na altura da linha do biquíni, de ponta a ponta do abdômen. Mostrou fotos de pacientes recém-operadas, o antes e o depois. Felizes na foto do depois, afinal o antes estava mesmo um horror.
Sobre a mesa do médico, uma prótese de silicone. Já tinha visto em reportagens da TV, mas de perto foi a primeira vez. O homem falando comigo e eu totalmente distraída, aquela prótese parecia ser de gelatina. Meio transparente. Seria macia? Não resisti, peguei a coisa e apertei. Uma, duas vezes. Boa mesmo de apertar, lembrei daquele brinquedo gelatinoso, a geleca! Estava assim, me divertindo com o brinquedinho quando, subitamente, o médico a tirou de minhas mãos. Explicou que a prótese seria pra mim desnecessária porque eu, no máximo, poderia fazer uma cirurgia não sei das quantas, para erguer aquilo o que a lei da gravidade tratou de derrubar. Interessante! Acho que já nasci com silicone natural, tenho recheio!
Quando a consulta terminou, eu estava cheia de dúvidas. Ser cortada pra perder a barriga não pareceu uma boa ideia. Desci a escadaria que levava à sala de espera do consultório. Na recepção uma paciente do doutor, entusiasmada. Tinha colocado prótese de silicone, igualzinha àquela com que eu havia brincado há instantes. Decotão, quase tudo de fora, acho que até mesmo um cego perceberia que os peitos ela comprou!
Sinceramente, acho que não teria coragem de fazer a tal cirurgia. Vai que algo sai errado? Que a barriga fica chapada, mas a cicatriz me deixa traumatizada? Decidi adiar os planos por tempo indeterminado. Quem sabe, quando eu for consertar aquilo o que o tempo amassou, eu aproveite pra levantar o que a gravidade derrubou? Um pacote cirúrgico com reforma geral, de preferência daqui a uns 5 ou 10 anos. Será mesmo incrível eu um dia completar 60 anos e aparentar 50. Forever meio young!
Por falar em perder a barriga, hoje Divo estava com a barriguinha de fora, acho que a blusa de seu pijama está um tanto apertada. Ele disse que não é nada disso, que é a calça do pijama que está curta. Entenderam? Sempre é possível eliminar a barriga simplesmente negando que ela existe. Barriga? Eu?! Que barriga??? E agora, repitam comigo: eu não tenho barriga, eu não tenho barriga, eu não tenho barriga! Viu? Sumiu!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe aqui o seu comentário!