É proibida a reprodução não autorizada dos textos deste blog, de acordo com a Lei nº9.610, de 19 de fevereiro de 1998, que regula os direitos autorais.

Apresentação

Este blog nasceu no blog Janela das Loucas, onde assinava "Diva Latívia". Ali permaneci durante muito tempo, como autora principal das crônicas do blog. Redescobri que escrever é vital pra mim, guiada e editada por Abílio Manoel, cantor, compositor, cineasta e meu querido amigo. O Janela das Loucas não existe mais, Abílio foi embora pro Céu. Escrevo porque tenho esse dom divino, mas devo ao Abílio este blog, devo ao Abílio a saudade que me acompanha diariamente. Fiz e faço deste blog uma homenagem a aquele que se tornou meu irmão, de alma e coração. Aqui o tema é variado: cotidiano, relacionamentos e comportamento, em prosa e versos.







17 de jun de 2011

O AMOR NÃO É UM BRINQUEDO


Esta última noite passei praticamente em claro. Acordei e o relógio marcava 03h17. Não mais dormi. Meus pensamentos estavam fazendo passeata, protesto, brigando comigo. Fui obrigada a sair da cama, sentar-me na sala. Escolhi a luz do abajur para iluminar o ambiente. Ali fiquei horas e mais horas, pensando, pensando, permitindo que meu coração se conectasse Àquele Ser: Deus.
Amar é uma Graça. Não tem graça, isso é outra coisa. Amar é coisa muito séria. Amor não é um jogo, não se parece com loteria, não precisa de sorte e não é brincadeira. Amor é algo divino, que chega em forma de bênção na vida de cada um. Reconhecer o Amor e cultivá-lo é questão de lucidez, mérito e delicadeza da alma de cada um.
Quando alguém olha pro sentimento sublime que é o Amor e o trata como se fosse um investimento a médio ou longo prazo, reduz o sentimento a uma equação matemática. Amor não é projeto, empecilho ou plano futuro. Amor é algo que se cuida a cada fração de segundo, está no dia de hoje, no seu batimento cardíaco deste exato segundo. Não adianta lançar o Amor nos planos do ano que vem, por exemplo. Ele é atual sempre.
Duas pessoas se conhecem. Começa o relacionamento. O nome do relacionamento tanto faz, pode ser o breve ficar, pode ser namoro, pode ser união estável ou casamento. Quando um dos dois faz do relacionamento algo “administrável”, querendo controlar o ritmo do sentimento, não assumindo socialmente ou pra si mesmo que está comprometido pelo coração, que isso tem reflexo moral, emocional e em seu círculo social, essa pessoa quebra o vínculo sutil e ininterrupto dessa energia divinal que é o Amor.
Pode haver o rompimento, às vezes com discussões, com sofrimento. É necessário haver a união do casal, uma dupla. Se um dos dois rói a corda, por motivos individuais, seja o medo, a incerteza, até mesmo a falta do próprio Amor, o relacionamento acaba. Antes acabar de uma vez do que aos poucos, mas normalmente acaba devagarzinho. Um desgaste que causa dor!
Comprometer-se é mais do que ir a um cartório e registrar sua intenção de união, de casamento. É mais que usar aliança no dedo ou dizer sim a um juiz de paz ou sacerdote. Comprometer-se é assumir pra si que Ama alguém e deseja essa pessoa consigo, para enfrentar as dificuldades da vida, ter os bons e os maus momentos compartilhados e envelhecer com esse alguém, lado a lado. Quem perde o compasso, pode terminar só. Infelizmente, quando se perde o Amor acontece o despertar. Um despertar que acontece tarde demais!
Se um dos dois falar em casar-se e o outro vacilar, isso depois de um ano de relacionamento, por exemplo, o significado dessa incerteza representa mais do que falta de envolvimento. Significa que um dos dois está sendo feito de bobo.
Talvez, o compromisso chamado casamento não possa acontecer, por motivos materiais, por razões que ambos conhecem e compreendem. Porém, quando isso inexiste e a idéia de casamento parece forca, especialmente para o homem, é sinal de alerta. Ele não ama aquela mulher.
E eu perdi o sono esta noite. Não pensando em mim apenas, mas pensando na vida. No quanto as pessoas erram ao se associarem de modo errado. Pensando nas mágoas que o coração carrega pelos desencontros. Apesar de sempre acompanhada de pessoas muito queridas, nesta madrugada eu me senti infinitamente solitária.
Para amar é preciso ter certeza do que se deseja amanhã. É preciso assumir um compromisso e fazer isso valer. Se não for naturalmente assim, melhor seguir a estrada divertindo-se, sem lançar sementes em corações incautos, sem ter aquilo o que já falei antes: compromisso.
Termino o texto ainda pensando, pensando. Que pena quando um quer, o outro não quer. Quem ama não merece ser rejeitado!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe aqui o seu comentário!