É proibida a reprodução não autorizada dos textos deste blog, de acordo com a Lei nº9.610, de 19 de fevereiro de 1998, que regula os direitos autorais.

Apresentação

Este blog nasceu no blog Janela das Loucas, onde assinava "Diva Latívia". Ali permaneci durante muito tempo, como autora principal das crônicas do blog. Redescobri que escrever é vital pra mim, guiada e editada por Abílio Manoel, cantor, compositor, cineasta e meu querido amigo. O Janela das Loucas não existe mais, Abílio foi embora pro Céu. Escrevo porque tenho esse dom divino, mas devo ao Abílio este blog, devo ao Abílio a saudade que me acompanha diariamente. Fiz e faço deste blog uma homenagem a aquele que se tornou meu irmão, de alma e coração. Aqui o tema é variado: cotidiano, relacionamentos e comportamento, em prosa e versos.







22 de jul de 2011

MENOS? PAUSA!


Acordei no meio da noite. São Paulo em pleno inverno, temperatura baixa. Pijaminha de flanela xadrez de vermelho e branco, meias nos pés. Coberta com um edredom e, para completar, Divo que, de tão quentinho, lembrava um pãozinho doce saindo do forno. Perfeito! Perfeito? Comecei a transpirar. O calor não parecia vir da atmosfera. Descoberta, já sem as meias, escorria suor do meu rosto. Fui até à cozinha, precisava com urgência do socorro de um copo d´água. Olhei pro refrigerador. Abri a porta e, se eu lá coubesse, teria me encaixado entre as prateleiras. Ali, ao lado dos potes contendo as sobras do jantar, o iogurte e as latinhas de cerveja de Divo. Peguei um cubinho de gelo do freezer e passei em meu rosto. Um gesto insano, talvez instinto de sobrevivência. O apartamento gelado, tentei calcular a temperatura. Talvez 10C lá fora, não mais que isso. Em frente ao espelho do banheiro, notei minha face avermelhada. Que calor! Tal e qual em um micro-ondas, a quentura parecia vir de minhas entranhas e concentrar-se na cabeça. Minha cabeça estava pegando fogo! Fogo!!! Não resisti, entrei no banho, molhei meus cabelos longos e respirei aliviada. Duas horas da manhã, noite fria. Divo ainda adormecido, sono pesado de causar inveja. Quando desliguei o chuveiro, a incandescência inexplicável parecia ter desaparecido. Sequei os cabelos com o auxílio do secador. Barulhão. Voltei pra cama sentindo novamente o frio da madrugada. Tremendo, acomodei-me pertinho do quentinho Divo. Adormeci.
Esqueci o episódio até que, dias depois, em pleno almoço de domingo, aquela inexplicável onda de calor atacou novamente. Comecei a transpirar, pensei no inferno. Dei uma desculpa, fui até o banheiro. Resisti ao chuveiro convidativo. Abri a torneira da pia, molhei meus pulsos e meu rosto. Não passava. Os pensamentos confusos, que raios estaria acontecendo comigo? Estaria doida? Tentei me recompor. Passei o resto do dia cismada. Minha saúde excelente, então o que estaria acontecendo? E eis que uma ideia sussurrou algo pra mim: MENOPAUSA!
Fiquei deprimida. Cinquenta anos de idade, rostinho de não mais que quarenta , porém o cronômetro da idade é um vilão implacável e não se deixa enganar pela aparência. Velha? Quis chorar. Na primeira oportunidade chorei sem parar. Aliás, andava chorando por tudo e por todos. Irritada, os cabelos caindo, uns centímetros a mais em minha circunferência. Amaldiçoei meus hormônios. Corri ao médico. – Diva, você tem sentido calor? Ondas de calor que parecem subir até à cabeça?
Bingo! Menopausa mesmo! Agora, com a reposição hormonal via um gel que aplico diariamente nos braços, a coisa está relativamente sob controle. Já não choro à toa, nem sonho em entrar na geladeira no meio da noite. Tenho repetido pra mim o seguinte: faz parte, hoje em dia as pessoas vivem até os 80 anos ou mais. Portanto, é apenas uma fase.
Incrível, há algumas décadas uma mulher nessa fase que enfrento se parecia com uma anciã. Gordinha, curvadinha, cansada. E eu, que tenho fôlego de gata, pique pra ir à balada, que visto o mesmo manequim de sempre, só percebi que o tempo passou quando o calor chegou.
Pois que seja. Há muito pela frente. Acho, preciso rever meus conceitos. Sempre imaginei que, ao chegar nesse degrau da minha vida, eu estaria prestes a bater a caçoleta: velha e caduca! Tudo bem, sou meio caduca sim, mas isso faz parte do meu DNA, algo nato. Eis aqui uma garota de meia-idade. Meia? Bem, se eu viver até os cem anos, é meia-idade mesmo! Ainda penso feito adolescente. Sonho os sonhos da juventude. E o espelho, generoso comigo, não me reprova jamais.
Seja bem-vinda, menopausa. Faça de conta que a casa é sua, mas apresse sua visita, ou terei que deixar uma vassoura virada atrás da porta, antiga simpatia para afastar visitas indesejáveis. Coisa do tempo da vovó, que não tinha o recurso do gel hormonal, dos adesivos de hormônio e, aos 50 anos, tornou-se uma velhinha. Santa medicina moderna! Que Deus abençôe toda a tecnologia e todo o avanço médico do mundo atual. Por essas e outras, acho a vida um grande “barato”! Menos? Pausa! Prefiro o “muito” e sem essa de pausar! Gosto de agitação, de folia e de alegria. Quero tudo, quero mais! Avante!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe aqui o seu comentário!