É proibida a reprodução não autorizada dos textos deste blog, de acordo com a Lei nº9.610, de 19 de fevereiro de 1998, que regula os direitos autorais.

Apresentação

Este blog nasceu no blog Janela das Loucas, onde assinava "Diva Latívia". Ali permaneci durante muito tempo, como autora principal das crônicas do blog. Redescobri que escrever é vital pra mim, guiada e editada por Abílio Manoel, cantor, compositor, cineasta e meu querido amigo. O Janela das Loucas não existe mais, Abílio foi embora pro Céu. Escrevo porque tenho esse dom divino, mas devo ao Abílio este blog, devo ao Abílio a saudade que me acompanha diariamente. Fiz e faço deste blog uma homenagem a aquele que se tornou meu irmão, de alma e coração. Aqui o tema é variado: cotidiano, relacionamentos e comportamento, em prosa e versos.







26 de jul de 2011

ÓIA QUE TI FURO OS ZÓINHO!


Por que os homens olham outras mulheres, que não a sua própria mulher?
Alguns diriam: olham porque têm olhos. Não são cegos, portanto olham!
Porém, há uma diferença abissal entre olhar e “olhar”. Tem homem que encara, praticamente esquece quem está ao seu lado e perde-se naquele olhar de cobiça, algo que chega a ser agressivo pra companheira, ou até mesmo pra mulher que é alvo da olhada.
Passei pelas duas situações, inúmeras vezes. Alvo de olhares e vítima do olhar alheio. Ciumenta nata, não suporto ser a vítima. Hoje cedo, Divo ao volante do carro e eu, sentada no banco de passageiro. O semáforo fechou e, na pracinha da igreja, lá ia uma loirinha de seus 20 e poucos anos. Meio gordinha, cabelos longos e lisos, vestido desses de malha agarradíssimo, curtíssimo, meia-calça fio 70 de cor preta e botas. Idade para ser filha caçula de Divo, quiçá a neta. E ele, esquecido de mim, fez aquele movimento ingênuo de quem imagina não ter sido flagrado. Os olhinhos de Divo moveram-se para a esquerda, prenderam-se naquele rotundo traseiro, nas pernas roliças da garota. E eu, com a testa coçando, fiquei calada. Rapidamente avaliei o tamanho do transtorno, 9h00, um dia todo pela frente. Não quis chamar sua atenção, ele negaria, eu me irritaria e o pau quebraria. O farol abriu, o trânsito nos segurou antes de dobrarmos à esquerda na avenida. Novamente ele olhou. A expressão facial era de um bobo babão.
Por que os homens são assim? Eu sei. É comportamental, ainda mais em um país que muito mais valoriza o traseiro do que o cérebro feminino. Os machistas diriam: pudera, loirinha, novinha, vestidinho curto? E eu digo: ela tem o direito de vestir o que ela quiser. Já Divo, não tem o direito de perder assim o controle de seu olhar, ainda que equivocadamente de modo discreto. Sempre resta uma indagação angustiante: se age assim ao lado da mulher, o que é capaz então de fazer na ausência dessa mulher?
Mulher pode tornar-se vingativa. A roupa que hoje eu vestiria era um terninho de lãzinha fina, algo ideal para a temperatura fresca deste dia de inverno. Decidi usar um vestidinho com um decote um pouco mais pronunciado. A saia é esvoaçante, hoje está ventando. Um casaquinho para equilibrar o frescor do modelito. Salto alto, caprichei na maquiagem. Vou agora trabalhar, um ambiente austero, que exige compostura. Sentirei o peso dos olhares para meu traseiro. E Divo? Divo foi trabalhar de terno e gravata. Elegante, mas nada sensual. Eis a vingança feminina!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe aqui o seu comentário!