É proibida a reprodução não autorizada dos textos deste blog, de acordo com a Lei nº9.610, de 19 de fevereiro de 1998, que regula os direitos autorais.

Apresentação

Este blog nasceu no blog Janela das Loucas, onde assinava "Diva Latívia". Ali permaneci durante muito tempo, como autora principal das crônicas do blog. Redescobri que escrever é vital pra mim, guiada e editada por Abílio Manoel, cantor, compositor, cineasta e meu querido amigo. O Janela das Loucas não existe mais, Abílio foi embora pro Céu. Escrevo porque tenho esse dom divino, mas devo ao Abílio este blog, devo ao Abílio a saudade que me acompanha diariamente. Fiz e faço deste blog uma homenagem a aquele que se tornou meu irmão, de alma e coração. Aqui o tema é variado: cotidiano, relacionamentos e comportamento, em prosa e versos.







6 de set de 2011

ESTIAGEM CRIATIVA


Logo cedo, ao escovar os dentes, espremi o finalzinho do tubo de creme dental. Sabem aquele restinho de pasta de dente que, pra cair na escova, é preciso torcer o tubinho de pasta? Imediatamente lembre–me deste blog, dos meus textos. Não sei se existe um estudo científico sério, que mereça credibilidade, algo que estude seriamente o motivo do vai e vem da inspiração. Ela vem, jorra textos aos borbotões, parece que nunca mais irá embora e que, em breve, poderei publicar um best seller de sucesso. De repente, quando menos espero, some. Some e não aparece durante dias, às vezes durante várias semanas.
Eu, que tenho este blog, preciso espremer minhas ideias, feito o tubinho de pasta de dente. Cai um pouquinho no teclado, tento aproveitar uma frase aqui, outra acolá. Leio, releio, deleto. Resmungo em voz alta: assim não dá! Quando menos espero, a inspiração dá um sinalzinho de vida e sopra qualquer coisa em meus ouvidos, cato migalhinhas, lambo os dedos, tento aproveitar cada gotinha nesta temporária estiagem criativa. Eis o texto, leve, letrinhas torcidas na marra, para formar frases. Fase que se assemelha a uma gestação. Tudo observo. Aos poucos, lentamente, as emoções que agora me calam, percorrerão meus sentidos e se derramarão em forma de palavras. A mim, resta esperar.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe aqui o seu comentário!