É proibida a reprodução não autorizada dos textos deste blog, de acordo com a Lei nº9.610, de 19 de fevereiro de 1998, que regula os direitos autorais.

Apresentação

Este blog nasceu no blog Janela das Loucas, onde assinava "Diva Latívia". Ali permaneci durante muito tempo, como autora principal das crônicas do blog. Redescobri que escrever é vital pra mim, guiada e editada por Abílio Manoel, cantor, compositor, cineasta e meu querido amigo. O Janela das Loucas não existe mais, Abílio foi embora pro Céu. Escrevo porque tenho esse dom divino, mas devo ao Abílio este blog, devo ao Abílio a saudade que me acompanha diariamente. Fiz e faço deste blog uma homenagem a aquele que se tornou meu irmão, de alma e coração. Aqui o tema é variado: cotidiano, relacionamentos e comportamento, em prosa e versos.







7 de out de 2011

AMOR E PAIXÃO


Peço licença ao poeta Vinicius de Moraes. O amor não é chama, o infinito não termina com um adeus. Amor verdadeiro atravessa a existência finita do ser humano e se perpetua onde habitam as estrelas. A paixão, essa sim é finita, ela pode ir e vir, arrefecer, cegar. Meteórica, por intensa que possa ser. Ledo engano de quem se apaixona e, rapidamente se vincula a outro alguém, sem provar o fel dos obstáculos que virão. O sentimento se modifica, ainda que cresça e se enraíze, frutifique lindamente em forma de amor. Tolo quem se desencanta com a ausência do calor da paixão, ela é uma espécie de dança do acasalamento das aves e insetos. Feita sob medida para perpetuar a espécie humana, ou para atrair o parceiro, a parceira para o que de mais simples e bonito existe nesta vida: sexo, procriação.
É muito difícil escutar de alguém que estava junto por pressão, que se sente sufocado. É a mudança do sentimento, começado com o torpor da paixão. Brigas, discussões, silêncios prolongados, tristeza e incompreensão mútua. Como lidar com isso? Ir em busca de outro par, novamente se apaixonar? Viver assim, às braçadas contra a maré da vida, em busca do pote de ouro no final do arco-íris? Sem raízes, sem frutos, sem laço com nó. Paixão é o pontapé inicial do relacionamento, não é vitória, nem o final de uma história.
Amor é superação das muitas dificuldades da vida, lado a lado. Com papel assinado, sem papel assinado. Casamento é muito mais que um documento rabiscado. Casar é compromisso consigo mesmo, antes de ser compromisso com outra pessoa. É doação de sua vida, comunhão de coração, corpo, alma, cotidiano, bens materiais, projetos, todos os momentos.
Quem se sente sufocado, afogou-se no mar da paixão. Não chegou à outra margem do rio que leva ao amor de verdade. Morreu na praia, por assim dizer.
Uma pena terminar o texto enxugando outra lágrima, cores desbotadas de lembranças que parecem distantes, ainda que sejam recentes. Paixão passa, a gente fica. Resta o mar da solidão.

4 comentários:

Isis disse...

Lindo texto...como sempre!!!!
E resta o mar da solidão.....
Beijos

Cláudia disse...

Isis,
Somos aprendizes nesta vida. A gente erra, acerta, erra, acerta... Por mais que a gente aprenda, sempre tem muito mais por aprender. E o amor é um mestre maravilhoso...
Obrigada pelo comentário!
Beijo

Lumont disse...

Acho que se esta parte de sua prosa fosse entendida devidamente "Amor é superação das muitas dificuldades da vida, lado a lado" não haveria tanta gente lamentando a solidão...
Obrigado a vc. Bjo. LM

Cláudia disse...

Luís,
Amor é a lição primeira, a mais importante de todas aqui, nesta vida. Paixão chega com tudo e, de um jeito ou de outro, ela vai embora. Ainda que crie raízes e frutifique em forma de Amor, um dia ela passa, termina... Enfrentar as dificuldades da vida lado a lado requer paciência, tolerância, superação. E isso é uma outra história, muito mais longa, com passagens alegres, outras tristes. Viver não é muito fácil, especialmente quando os personagens são... difíceis!
Obrigada pelo comentário.
Um beijo

Postar um comentário

Deixe aqui o seu comentário!