É proibida a reprodução não autorizada dos textos deste blog, de acordo com a Lei nº9.610, de 19 de fevereiro de 1998, que regula os direitos autorais.

Apresentação

Este blog nasceu no blog Janela das Loucas, onde assinava "Diva Latívia". Ali permaneci durante muito tempo, como autora principal das crônicas do blog. Redescobri que escrever é vital pra mim, guiada e editada por Abílio Manoel, cantor, compositor, cineasta e meu querido amigo. O Janela das Loucas não existe mais, Abílio foi embora pro Céu. Escrevo porque tenho esse dom divino, mas devo ao Abílio este blog, devo ao Abílio a saudade que me acompanha diariamente. Fiz e faço deste blog uma homenagem a aquele que se tornou meu irmão, de alma e coração. Aqui o tema é variado: cotidiano, relacionamentos e comportamento, em prosa e versos.







4 de out de 2011

DIVA EM CONSERVA

Esses últimos dias, ou os últimos acontecimentos que fervem em mim e ao meu redor, trouxeram de brinde a queda da minha imunidade física. A consequência é óbvia: não consegui trabalhar o suficiente ontem e hoje. Amontoei os travesseiros sobre a cama. Fiz uma espécie de ninho e me acomodei do jeito que pude. Liguei o notebook.  Resolvi acompanhar a quantidade expressiva de leitores que acessaram o blog nesses últimos dias.  A origem do tráfego, dedurada pelo Google, mostra que brasileiros e estrangeiros aportaram no Diva Latívia. Nem sempre chegaram sem querer, às vezes estavam procurando algo no Google e caíram aqui, nas minhas letrinhas.  Uma das pesquisas que fizeram foi sobre “ frases de amor”. Suspirei. Não sei se o suspiro foi de esperança, se foi de desconsolo. Eu, em pleno maremoto, escrevi algo romântico mais de uma vez.  Lembrei-me  do palhaço, que faz a plateia rir,  ainda que esteja triste. Diva palhaça. Procuraram por “ vinho e jazz”, escrevi sobre alguém que saiu para beber vinho e tomou várias garrafas ao som de jazz: Vinho, Jazz e Zuzubem.
Estou triste. Muito triste. Costumo dizer que a vida se parece com um tricô, é feita ponto a ponto e, quando menos esperamos, lá está o resultado, algo que lembra um belo cachecol tricotado. O meu tricô eu tive que desmanchar algumas vezes e cá estou novamente, a desfazê-lo. Perdi algum ponto no meio do trabalho.  A incansável busca da felicidade, que não está em outrem, mas dentro de si. A felicidade dentro de mim amanheceu com virose.  Enquanto aprendo com o erro, enquanto busco onde foi mesmo que eu errei, sou leitora e derramo o olhar sobre os textos de Diva Latívia. Um achado, parece que fiz uma espécie de conserva para dias nublados feito o de hoje, textos em compota. Doces, amargos, acondicionados em um blog aberto ao mundo.  Reservas de afeto para dias cinzentos, para lembrar-me que não há mal que pra sempre dure, nem bem... Bem! Deixem isso pra lá. Continuo a leitura de minhas crônicas.
Em um dos textos, recebo flores de quem sempre esperei. Um tanto desesperada, a última flor que escrevi ficou despetalada.  Em outra história, eu me despeço de um amigo que virou estrelinha. Depois outro e mais outro. Quantos! Tantos! Uma constelação. Mais adiante, busco um novo amor, encontro essa promessa. Eu faço versos, ilustro uma palma da mão. Batizo a faxineira de Zezé,  o aspirador de pó engole objetos sobre o tapete, a torneira do banheiro jorra água. E tudo isso no mesmo blog, enquanto a vida borbulha.  Meus textos, minha cura. Esta é a minha felicidade, tudo o que não será de mim tirado, letrinhas que não me trocarão por outro escritor, que se casaram comigo antes mesmo de eu aprender a escrever. Este blog sou eu. Diva sou eu. Latívia, portanto nascida Diva, segundo meu padrinho Abílio Manoel. Uma Diva que se emociona e consola com sua criação.
Termino exausta, preciso descansar. Virose é a resposta a tudo aquilo o que não tem explicação. O remédio é deixar o tempo passar. Ah, o tempo!




Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe aqui o seu comentário!