É proibida a reprodução não autorizada dos textos deste blog, de acordo com a Lei nº9.610, de 19 de fevereiro de 1998, que regula os direitos autorais.

Apresentação

Este blog nasceu no blog Janela das Loucas, onde assinava "Diva Latívia". Ali permaneci durante muito tempo, como autora principal das crônicas do blog. Redescobri que escrever é vital pra mim, guiada e editada por Abílio Manoel, cantor, compositor, cineasta e meu querido amigo. O Janela das Loucas não existe mais, Abílio foi embora pro Céu. Escrevo porque tenho esse dom divino, mas devo ao Abílio este blog, devo ao Abílio a saudade que me acompanha diariamente. Fiz e faço deste blog uma homenagem a aquele que se tornou meu irmão, de alma e coração. Aqui o tema é variado: cotidiano, relacionamentos e comportamento, em prosa e versos.







13 de fev de 2012

A POSSE DE MEUS SONHOS


A vovó era incansável em sua afirmação: “essa menina, quando crescer, vai ser médica pediatra! “. Dizia isso pras visitas, pros vizinhos, até pro Papai Noel da loja Mappin ela disse isso uma vez. Tanto ela falava isso, que resolvi mexer em sua gaveta da penteadeira, misturei seus cremes faciais com aqueles comprimidinhos cor-de-rosa, que imagino eu, eram remédios para a sua infindável asma. Dei ao cachorro,ao gato, por um triz escapou o papagaio. Fui flagrada.
De castigo, escutei ao longe o sorveteiro se aproximar do portão. Naquele tempo, os sorveteiros andavam tranquilamente pelo bairro de Moema, vendiam sorvetes de marcas diversas. A buzina era inconfundível, o som era de felicidade.
Descalça, passinhos ligeiros,bati na porta do quarto de minha avó. Demorou a responder. Lá de dentro escutei sua voz, um tanto séria. – Volte pro seu quarto, você está de castigo!
Não adiantou protestar. Subi na cadeira, pude ver o sorveteiro passar e sumir quando dobrou a esquina.
As bonecas Barbie já existiam, mas no Brasil a moda eram as bonecas Susi. Minha Susi enfermeira, projeto daquilo o que eu deveria ser um dia: loira, magra e médica. Peguei uma caneta esferográfica azul. Risquei o rosto da Susi, tanto, mas tanto, que quando terminei nenhum cantinho do plástico rosado de sua pele podia ser visualizado.
Desse dia em diante, os sonhos passaram a ser meus e de mais ninguém. Sonhos rabiscados.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe aqui o seu comentário!