É proibida a reprodução não autorizada dos textos deste blog, de acordo com a Lei nº9.610, de 19 de fevereiro de 1998, que regula os direitos autorais.

Apresentação

Este blog nasceu no blog Janela das Loucas, onde assinava "Diva Latívia". Ali permaneci durante muito tempo, como autora principal das crônicas do blog. Redescobri que escrever é vital pra mim, guiada e editada por Abílio Manoel, cantor, compositor, cineasta e meu querido amigo. O Janela das Loucas não existe mais, Abílio foi embora pro Céu. Escrevo porque tenho esse dom divino, mas devo ao Abílio este blog, devo ao Abílio a saudade que me acompanha diariamente. Fiz e faço deste blog uma homenagem a aquele que se tornou meu irmão, de alma e coração. Aqui o tema é variado: cotidiano, relacionamentos e comportamento, em prosa e versos.







29 de fev de 2012

SONHO DE UMA NOITE DE CALOR

Já tinha chegado ao centro da cidade, sob o sol escaldante do verão e carregada de documentos importantes. Entre um passo e outro, apesar do calor, gelei!
Esses fogões modernos, esses fornos elétricos, essas panelas de inox. Tudo isso nunca foi importante pra mim, mas na minha nova casa tem um pouco de tudo isso.
A geladeira lotada de legumes e verduras, eu pensei então em adiantar o jantar.  Cozinhei brócolis, couve-flor, cenoura. Uma deliciosa saladinha refrescante e leve, algo que combinaria muito com a temperatura  impiedosa do dia.
Gelei!  Um pensamento terrível tomou conta de mim: será que, antes de sair de casa, desliguei o fogão? Parei na calçada, as pessoas passavam por mim e levei alguns esbarrões. Angustiada, não conseguia concluir o meu jogo da memória. Tentei refazer mentalmente todo o meu roteiro:  fui ao banheiro, depois fui à sala e fechei a janela da sacada. Então, peguei minha bolsa, a pasta e... E não podia lembrar mais nada. Uma espécie de amnésia, talvez?
Pensamentos sombrios tomaram conta dos meus miolos. Um incêndio de grandes proporções destruindo os dois blocos do condomínio onde moro. Bombeiros e helicópteros, repórteres das principais emissoras de rádio e TV. Divo desesperado, sem casa para morar, contabilizando um prejuízo que levaria anos a fio para ser reparado.
Vi tudo rodando, rodando. Acordei em uma espécie de sala branca, quis sentar, mas uma enfermeira me disse: calma, você está bem e está no hospital. Sua pressão estava muito baixa e você desmaiou, o médico virá conversar com você.
Eu não queria saber onde eu estava, nem o que tinha acontecido comigo. Precisava voltar depressa pra casa, o fogão! O fogão! Saí pela rua descalça, vestida com aquele avental hospitalar, aquele com abertura no traseiro e entrei no primeiro ônibus que passava.
Acordei quando tocou o despertador. Eram 07h00. Levantei tonta de sono e fui direto à cozinha. Tudo limpinho, arrumadinho.  Tive um pesadelo. O culpado só pode ter sido esse calor! Quem consegue dormir direito?
Pouco antes de sair pro trabalho, olhei duas vezes se estava tudo certinho na cozinha. Cautela e caldo de galinha, vocês sabem como é.



2 comentários:

Ulisses Vasconcellos disse...

Que confusão quente, hein?! hahaha


Muito bom! E, por via das dúvidas, sempre vale uma conferidinha mesmo.

Cláudia disse...

Ulisses,

Esse calor derrete o juízo de muita gente e eu não sou exceção! rsrsrs...
Obrigada pelo comentário!
Beijo

Postar um comentário

Deixe aqui o seu comentário!