É proibida a reprodução não autorizada dos textos deste blog, de acordo com a Lei nº9.610, de 19 de fevereiro de 1998, que regula os direitos autorais.

Apresentação

Este blog nasceu no blog Janela das Loucas, onde assinava "Diva Latívia". Ali permaneci durante muito tempo, como autora principal das crônicas do blog. Redescobri que escrever é vital pra mim, guiada e editada por Abílio Manoel, cantor, compositor, cineasta e meu querido amigo. O Janela das Loucas não existe mais, Abílio foi embora pro Céu. Escrevo porque tenho esse dom divino, mas devo ao Abílio este blog, devo ao Abílio a saudade que me acompanha diariamente. Fiz e faço deste blog uma homenagem a aquele que se tornou meu irmão, de alma e coração. Aqui o tema é variado: cotidiano, relacionamentos e comportamento, em prosa e versos.







9 de mar de 2012

VIDA EM MIM

Por que minha cabeça não para de pensar? Eu gostaria de entreter-me com assuntos banais, ter prazer em simplesmente cozinhar, ou caminhar. Mas, justamente nesses momentos, os pensamentos aterrissam e me fazem mergulhar profundamente em mim.  
Por que minhas preocupações não são fúteis, assim como considero fúteis as preocupações de alguns? Por que não vivo sem a pitada acentuada da responsabilidade com os demais, sem ter que me lançar no mar de adversidades para nadar contra as dificuldades diárias?  Por que não passo por esta existência sem a missão de ser salva-vidas, salvar os demais? Sem ser comandante desta nau, a última a abandonar a embarcação? Por que tudo não pode ser normal, comum, com o controle remoto nas mãos, o teclado na ponta dos dedos, o mundo de faz de conta, ao invés da vida real? 
Por que não posso preocupar-me com amigos virtuais apenas, com amores que delirei e nada mais, coisas comuns, que muita gente faz! Deixar que horas me carreguem imaginando o que irei vestir no final de semana, se engordei ou emagreci? Tentando adivinhar aquilo o que talvez imaginem a meu respeito, se irei à balada ou não, se ele me ama ou não, se vai chover ou se fará sol? Nada disso entra no cardápio agridoce dos meus dias, a vida pisa fundo e me chama para apagar incêndios descontrolados, para participar de dramas acentuados, para enxugar lágrimas alheias e esconder as minhas próprias lágrimas. 
Vida densa assim, até o fundo, até o fim.  Apanhando feito rocha que as ondas do mar moldam ao longo de séculos. Vida feita sob medida pra mim!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe aqui o seu comentário!