É proibida a reprodução não autorizada dos textos deste blog, de acordo com a Lei nº9.610, de 19 de fevereiro de 1998, que regula os direitos autorais.

Apresentação

Este blog nasceu no blog Janela das Loucas, onde assinava "Diva Latívia". Ali permaneci durante muito tempo, como autora principal das crônicas do blog. Redescobri que escrever é vital pra mim, guiada e editada por Abílio Manoel, cantor, compositor, cineasta e meu querido amigo. O Janela das Loucas não existe mais, Abílio foi embora pro Céu. Escrevo porque tenho esse dom divino, mas devo ao Abílio este blog, devo ao Abílio a saudade que me acompanha diariamente. Fiz e faço deste blog uma homenagem a aquele que se tornou meu irmão, de alma e coração. Aqui o tema é variado: cotidiano, relacionamentos e comportamento, em prosa e versos.







5 de abr de 2012

ESTILHAÇOS ( DÉJÀ VU)


O termo traduz a sensação que me invade há várias semanas: déjà vu. Talvez, a luminosidade, a temperatura do outono seja o tempero dos sentimentos que já senti, das lembranças que chegam sem antes avisar, de momentos que parece que já aconteceram antes.  As músicas, os aromas, os fatos, as fotos. Surpreendo-me  viajando a instantes remotos, em pensamento reencontro amigos de outrora, lembro e relembro, feito um quebra-cabeça com milhares de minúsculas peças. A imagem de mim se forma no tabuleiro de minha vida.
Coincidências existem?  Estilhaços da minha vida. Atraio encontros e reencontros inesperados, com pessoas que soltaram minha mão em algum quilômetro da estrada. Gente que partiu. Gente que também deixei, para sobreviver, ou simplesmente para ser feliz. Ligo o rádio, toca a velha canção. 
A frase que leio me faz refletir:  “ o dia de ontem passou, o dia de amanhã é incerto, por isso viva o presente”.  O passado, às vezes, dói! O passado me faz passar por louca, ele me faz rir e chorar, zangar-me comigo, zangar-me com luzes e sombras. Saudade entra no ingrediente e torna inteiro o que ficou despedaçado. Depois, eu me perdoo rapidamente e estendo esse perdão aos simplesmente humanos. 
Para curar as feridas, canto um trechinho da antiga canção, que os girassóis da floricultura me fizeram recordar. Visto azul, para combinar com o sabor da laranja docinha que provei de manhã.  Eu, sentada na cozinha da infância, a laranja do suco de frutas. Eu, apaixonada perdidamente e vestindo azul. Eu, admirando o quadro dos Girassóis de Van Gogh em uma tarde de solidão. Viro a página, vejo que horas são, meus passos apressados na calçada. Sensação de já ter vivido isso antes. Quando? 
Folhas secas sob meus pés, calor sob o sol, friozinho na sombra. Tricô! As agulhas a tricotar um casaquinho de bebê, a cor da lã que escolhi  lembra o aroma do pó de arroz que minha mãe usava: branco, chantilly sobre os morangos. Eu, brindando com vinho uma noite inesquecível. A música, a temperatura, as laranjas, os girassóis, os morangos, as fotografias, as folhas secas, Van Gogh, a solidão, o passado, o presente. Pedacinhos de mim. Déjà vu!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe aqui o seu comentário!