É proibida a reprodução não autorizada dos textos deste blog, de acordo com a Lei nº9.610, de 19 de fevereiro de 1998, que regula os direitos autorais.

Apresentação

Este blog nasceu no blog Janela das Loucas, onde assinava "Diva Latívia". Ali permaneci durante muito tempo, como autora principal das crônicas do blog. Redescobri que escrever é vital pra mim, guiada e editada por Abílio Manoel, cantor, compositor, cineasta e meu querido amigo. O Janela das Loucas não existe mais, Abílio foi embora pro Céu. Escrevo porque tenho esse dom divino, mas devo ao Abílio este blog, devo ao Abílio a saudade que me acompanha diariamente. Fiz e faço deste blog uma homenagem a aquele que se tornou meu irmão, de alma e coração. Aqui o tema é variado: cotidiano, relacionamentos e comportamento, em prosa e versos.







11 de abr de 2012

FEITO PAPEL DE SEDA


Por falar em aniversário...

- Você prefere bolo de quê?
- De qualquer coisa.
- Qualquer coisa com cobertura, ou sem cobertura?
Ele desviou o olhar da revista que lia.  -Não quero bolo.
- Prefere torta?
-  ...
- Torta de chocolate? De maçã?
- Não gosto de doce.
Total desânimo.  Completar 40 anos de idade, isso merecia uma grande comemoração, uma festa, a reunião dos amigos, dos parentes, dos colegas do trabalho. Mas, ele não queria bolo, portanto não queria festa!
Há duas semanas tinha comprado o presente de aniversário dele, um relógio de pulso. Demorou horas pra escolher, entrou em todas as relojoarias do shopping. Por fim, escolheu um relógio clássico, a pulseira de couro marrom. Combinava com os ternos que ele usava pra trabalhar. Chique!
Desde as oito horas da manhã o telefone não parava de tocar. Ligou a sogra, a mãe, a tia, a irmã e o cunhado. Ligou também alguém que ele atendeu rapidamente, logo desligou. Ficou mal humorado.
- Zé, vamos sair, jantar fora?
- Não sei, acho que vai ter reunião com aquele cliente do Mato Grosso, devo chegar tarde em casa.
Resignada, ela buscou o pacote de presente e estendeu as mãos, mais com vontade de chorar do que de sorrir.
- Obrigado. Não precisava.
Agradecimento breve, sem um sorriso, sem um beijo ou abraço.
- Se você vier cedo, eu posso preparar aquele risoto que você gosta!
- Não precisa me esperar, não sei a que horas vou chegar, já disse isso.
Zé Maurício só voltou às quatro horas da manhã, cheirando a perfume de mulher e com hálito de cerveja.
Todos os anos, ano após ano, por mais que ela tentasse não recordar esse episódio, ele vinha à tona. Triste lembrança do dia em que descobriu:  seu relacionamento estava por um fio.
 Há doze anos ela não tinha notícias do Zé Maurício, se viram pela última vez quando assinaram o divórcio. Incrível, sete anos de casamento, tantos momentos juntos e se tornaram dois estranhos. Soube que ele voltou a se casar. Fuçou no Facebook, a atual se chama Andressa e tem 28 anos. Fez e refez as contas: 22 anos mais nova que ela, 24 anos mais nova que ele. Como pode? Ele nunca quis ter filhos, mas teve 2 filhos com a tal da Andressa. Gêmeos!
Todos os anos o mesmo ritual. Acorda, olha o calendário, lembra daquele dia, depois se deixa levar pela avalanche de lembranças amargas que resultaram na separação.  Por fim, enxuga as lágrimas e diz pra si mesma: - feliz aniversário, Zé!
Ah o amor...  Frágil, feito papel de seda.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe aqui o seu comentário!