É proibida a reprodução não autorizada dos textos deste blog, de acordo com a Lei nº9.610, de 19 de fevereiro de 1998, que regula os direitos autorais.

Apresentação

Este blog nasceu no blog Janela das Loucas, onde assinava "Diva Latívia". Ali permaneci durante muito tempo, como autora principal das crônicas do blog. Redescobri que escrever é vital pra mim, guiada e editada por Abílio Manoel, cantor, compositor, cineasta e meu querido amigo. O Janela das Loucas não existe mais, Abílio foi embora pro Céu. Escrevo porque tenho esse dom divino, mas devo ao Abílio este blog, devo ao Abílio a saudade que me acompanha diariamente. Fiz e faço deste blog uma homenagem a aquele que se tornou meu irmão, de alma e coração. Aqui o tema é variado: cotidiano, relacionamentos e comportamento, em prosa e versos.







2 de mai de 2012

DESASSOSSEGO


O leão rugiu, o tempo urgiu. Tirei uns dias de folga, fuga pura e simples da correria paulistana. Aproveitei o feriado prolongado pra tentar descansar. Na malinha roupas de meia-estação, afinal costuma fazer calor naquela bucólica cidadezinha interiorana. Eis que a temperatura caiu tanto que, para aquecer-me, passei a vestir todas as camisetas, todas as blusinhas de manga comprida, arrumações sobrepostas. Parecida com a abominável mulher de São Paulo, pois sim! Não caiu neve, mas meus ossinhos ficaram doloridos devido à friagem. Sair para comprar um casaco, isso pareceu pouco econômico, afinal meu salário ainda não chegou. 
Chegadas e partidas, voltando ao leão que rugiu, declarar o imposto de renda me deixou tão estressada que abri uma garrafa de vinho, me embrulhei em uma mantinha de lã xadrez, e tratei de esquecer o quanto dói uma mordida, bem na altura do bolso traseiro da calça. 
Quatro dias de pretenso descanso, admirando as montanhas, ouvindo o canto dos passarinhos e tentando afastar todos os pensamentos numéricos que me assombravam. Cantarolei algo antigo que dizia: “tem que pagar pra nascer, tem que pagar pra viver, tem que pagar pra morrer”. 
O feriado voou a jato. Quarta-feira louca, corrida, eu com minha echarpe de seda a voar pelas ruas da cidade. Passos rápidos contra os minutos do relógio. Saudade dos passarinhos, das montanhas, do cobertorzinho! No abraço aconchegante de Divo reencontrei a serenidade neste começo de noite de quarta-feira. Amor, o melhor antídoto contra todo e qualquer desassossego.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe aqui o seu comentário!