É proibida a reprodução não autorizada dos textos deste blog, de acordo com a Lei nº9.610, de 19 de fevereiro de 1998, que regula os direitos autorais.

Apresentação

Este blog nasceu no blog Janela das Loucas, onde assinava "Diva Latívia". Ali permaneci durante muito tempo, como autora principal das crônicas do blog. Redescobri que escrever é vital pra mim, guiada e editada por Abílio Manoel, cantor, compositor, cineasta e meu querido amigo. O Janela das Loucas não existe mais, Abílio foi embora pro Céu. Escrevo porque tenho esse dom divino, mas devo ao Abílio este blog, devo ao Abílio a saudade que me acompanha diariamente. Fiz e faço deste blog uma homenagem a aquele que se tornou meu irmão, de alma e coração. Aqui o tema é variado: cotidiano, relacionamentos e comportamento, em prosa e versos.







26 de mai de 2012

SÓ... PRA QUEM ANDA DEVAGAR!


Tenho conversado com várias pessoas via e-mail e MSN. Sempre o tema é: amor, esse alienígena sem manual de funcionamento. Alguns sofrem porque o perderam. Outros, porque estão atravessando um problema no casamento, ou namoro. Tem aquelas pessoas que estão recém-separadas e, de tanto receio de repetir a dose, perdem a chance de ter o novo par. Há os solitários que tentam, mas não encontram esse bicho do outro planeta. Enfim, um abismo de desencontros sem fim.
Essa engenhoca complicada deveria ter um SAC, tal e qual as geladeiras, os computadores e automóveis. Mas, somente a experiência de vida pode nos ensinar a lidar com os vai-e-vem, os altos e baixos de um relacionamento amoroso. Não importa o estado civil, ou o tipo de relacionamento que alguém está vivendo. Nem se conheceu o par ontem ou há várias décadas. O amor é pra quem se dispõe a amar de peito aberto e sem medo de altura ou de velocidade. Acho que a grandiosidade desse sentimento é para os incautos, pra quem não anda devagar. Pra quem derruba a melhor taça de cristal e ri, olhando os caquinhos espalhados pelo chão.
 Nem em versos amor rima com distância. Tem que se fazer presente, para conjugar o verbo amar. Portanto, aos que estão sofrendo a dor, desejo que não tenham calma, que não andem devagar. Aos que encontraram o amor, desejo que jamais metam o pé no freio, especialmente, quando o par engatar a primeira marcha. Jamais relaxem! O desleixo afastará depressa o ser amado e resgatá-lo vai exigir demonstrações públicas de afeto. Trabalheira danada! Mesmo sem um manual de instruções, espero que o aprendizado aconteça até mesmo na ausência. Não existe a menor chance de alguém ser feliz sozinho. Portanto, coragem e boa sorte! Vamos à luta porque no amor só não vale a guerra!

Texto que publiquei há três anos no saudoso blog Janela das Loucas.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe aqui o seu comentário!