É proibida a reprodução não autorizada dos textos deste blog, de acordo com a Lei nº9.610, de 19 de fevereiro de 1998, que regula os direitos autorais.

Apresentação

Este blog nasceu no blog Janela das Loucas, onde assinava "Diva Latívia". Ali permaneci durante muito tempo, como autora principal das crônicas do blog. Redescobri que escrever é vital pra mim, guiada e editada por Abílio Manoel, cantor, compositor, cineasta e meu querido amigo. O Janela das Loucas não existe mais, Abílio foi embora pro Céu. Escrevo porque tenho esse dom divino, mas devo ao Abílio este blog, devo ao Abílio a saudade que me acompanha diariamente. Fiz e faço deste blog uma homenagem a aquele que se tornou meu irmão, de alma e coração. Aqui o tema é variado: cotidiano, relacionamentos e comportamento, em prosa e versos.







29 de jun de 2012

O BANHO DE TINA


Que delícia refrescar-se em dias quentes! Vale quase tudo: mar, rio, cachoeira, represa, piscina, ar condicionado, ventilador, leque e até mesmo tina d´água.  Esperem! Tina d´água? Pois é. A Deuzinete não perdeu a chance de experimentar a água friazinha da tina d´água.
Família tem de tudo. Família tradicional, à moda antiga, tem costumes enraizados que, vez ou outra, desafiam o passar do tempo. O almoço da família da Dona Judite, patroa da Deuzinete, foi pra lá de tradicional. Enquanto a mulherada cozinhava e fofocava, os homens jogavam conversa fora e bebericavam cachaça, a tal da água que passarinho não bebe. Reunidos em uma mesa, lá estavam o avô, os tios avôs, o pai, os filhos homens, os primos, os irmãos, sobrinhos e marido da Dona Judite.
O calor parecia uma fornalha. O fogão à lenha teimava em piorar a situação. Feijão tropeiro, cordeiro, arroz branquinho e soltinho. Deuzinete suava em bicas. A chance de refrigerar a situação aconteceu quando a patroa pediu algo simples: - Pegue pra mim aqueles panos de prato com biquinho de crochê.
Bem que a Deuzinete foi  procurar os tais panos de prato, mas o suor escorria pela cabeça, percorria a nuca, desafiava a barreira de suas sobrancelhas. Pensou até no inferno! Eis que, pelo caminho, no quintal, deu de cara com a tina d´água. Não se fez de rogada. Primeiro, colocou a pontinha dos pés. Depois, recolheu a saia e molhou-se até à altura dos joelhos. Molhou o rosto, os braços. Não resistiu e sentou-se na tina. Chegou a esquecer da hora, totalmente envolvida com o frescor.
Praticamente despertou com a voz da patroa: - Deuzinete, cadê você?
Tentou levantar-se, mas parecia presa. Mexeu uma perna com dificuldade, a outra perna estava dobrada e encaixada de modo justo no recipiente. Forçou sua saída com os braços. Uma tentativa, duas, dez, vinte. Nem se lembrava como entrou naquilo, a coisa parecia tão apertada! Deuzinete estava entalada na tina d´água!
- Deuzinete, onde você está?
Pensou em mergulhar, pra se esconder. O corpo escorregou pra baixo alguns milímetros. Notou que o braço esquerdo também estava preso. Começou a chorar.
- Deuzinete, cadê meus panos?
Não tinha jeito. Pediu socorro: - SOCORROOOOOOOOOOOOOOOOOOOO!!!!
Chegaram para socorrê-la: a patroa, o avô da patroa, o pai da patroa, os filhos homens da patroa,  os primos da patroa, os irmãos da patroa, os sobrinhos da patroa e o marido da Dona Judite!
Explicações inexplicáveis, não havia muito o que explicar! Era caso de entalamento, se ela voltasse a se mexer, o certo mesmo seria chamar os bombeiros. 
– Deuzinete, estica a perna! 
– Deuzinete, levanta o braço! 
– Vem pra direita! 
– Volta pra esquerda. 
Por fim, a Deuzinete desentalou da tina d´água! Ao levantar-se, ainda meio torta e atordoada, só não foi aplaudida pelo bando de homens da família da Dona Judite porque a dita cuja era brava até demais! Deuzinete, vestida com uma camiseta branca, justa e molhada estava,  por assim dizer, pelada! Dava pra ver quase tudo, menos aquilo o que só mesmo um raio X é capaz de mostrar.  Fresquinha, literalmente!
Dizem que, pra fazer sucesso, basta passar de calça jeans fit, agarradinha, em frente a uma obra. Qual o quê! Deuzinete não precisou de nada disso. A camisetinha branca, com propaganda do mercadinho “Só Compre Aqui “ arrasou com a “homarada”!
Esse foi o último dia de trabalho da Deuzinete na casa da Dona Judite. Foi demitida sem justa causa. Injusto, talvez, mas segundo a Dona Judite isso aconteceu por uma boa causa. E só de pensar que tudo o que a Deuzinete queria era se refrescar, dá dó!

Em homenagem ao meu saudoso amigo, editor e webmaster, Abílio Manoel. 


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe aqui o seu comentário!