É proibida a reprodução não autorizada dos textos deste blog, de acordo com a Lei nº9.610, de 19 de fevereiro de 1998, que regula os direitos autorais.

Apresentação

Este blog nasceu no blog Janela das Loucas, onde assinava "Diva Latívia". Ali permaneci durante muito tempo, como autora principal das crônicas do blog. Redescobri que escrever é vital pra mim, guiada e editada por Abílio Manoel, cantor, compositor, cineasta e meu querido amigo. O Janela das Loucas não existe mais, Abílio foi embora pro Céu. Escrevo porque tenho esse dom divino, mas devo ao Abílio este blog, devo ao Abílio a saudade que me acompanha diariamente. Fiz e faço deste blog uma homenagem a aquele que se tornou meu irmão, de alma e coração. Aqui o tema é variado: cotidiano, relacionamentos e comportamento, em prosa e versos.







5 de jul de 2012

AMARRADO PELA CUECA


- Prendi! Prendi!
Escutar isso, proferido pela minha prestimosa auxiliar do lar, Zezé, me deixou surpresa e confusa, tudo isso ao mesmo tempo.
- Prendeu o quê, Zezé?
- Prendi o “filhadamãe” do Zé numa amarração.
Larguei o livro que estava lendo, tirei os óculos e até me ajeitei melhor na poltrona.
- Conta, Zezé!
- Sabe a cartomante?
- Não sei!
- Sabe sim senhora, porque antes de conhecer Seu Divo a senhora leu carta na cartomante!
- Zezé, deixe de ser folgada!
- Tá, então não conto.
Foi embora pra cozinha pisando duro, se fazendo de difícil. Conheço bem a Zezé, sabia que sua língua estava formigando, ela estava doidinha pra contar a história da amarração!
Já estava com sono, preparada pra ir dormir, quando ela trouxe um chá com torradinhas. Puro pretexto pra continuar a nossa prosa.
- Vai chover no feriado, Dona Diva.
Eu fiz de conta que não escutei,  bebi alguns golinhos do chá.
- Vai fazer frio no feriado, Dona Diva.
- Tá, Zezé. Pode contar sua história, prometo ouvir sem comentar muitas coisas.
- Sabe a cartomante, Dona Diva?
Suspirei fundo, tentei me controlar. – Sei sim, aquela cartomante que disse que eu precisava comprar uma figa preta, amarrar em uma fita vermelha e dar de presente ao primeiro homem com quem eu fosse jantar. É aquela cartomante?
- Essa aí! A senhora também amarrou o Seu Divo, né? Danadinha a senhora, Dona Diva!
- Ô Zezé, você acha que amarrei o Divo? Tem cabimento isso?
- Tá, vou dormir, tá tarde. Boa noite pra senhora.
- Nananinanão! Volta aqui e termina a sua história!
- Vai me escutá?
- Vou!
- A cartomante, aquela da amarração. A senhora sabe quem é?
Minha paciência tinha acabado, mas a curiosidade só aumentava.
- Sei quem é!
- Ah, bão! Então, a cartomante me ensinou a "amarrá" a cueca do Zé com pimenta e água de cheiro. O Zé num vai “arresistir”.
Eu só imaginei a situação. Que horror!
- Dona Diva, dessa vez o " homi se apaxona"!
Fui dormir controlando o riso. Zé, o porteiro do nosso edifício, mal sabia em sua inocente portaria que sua cueca havia sido subtraída pela Zezé e que, a aquela altura, estava apimentada e perfumada com água de cheiro.
Uma semana depois a Zezé veio chorosa resmungar: - Dona Diva, a senhora pode me levar no Procon? Quero fazer uma queixa.
A reclamação era a seguinte: a amarração não tinha funcionado, pior que isso, o Zé já não mais funcionava também. E ela queria seu dinheiro da consulta esotérica de volta.
Passou vários dias desligada, amuada, emburrada. Pra melhorar o astral da minha casa, decidi fazer uma caridade. Chamei o Zé e dei a ele uma caixinha generosa, pra que ele convidasse a Zezé pra sair, jantar. Ainda dei uma graninha extra pra que ele comprasse umas flores, algum mimo pra Zezé. Tudo isso um investimento pra que meu lar voltasse à “normalidade”.
No dia seguinte, Zezé estava cantarolando na área de serviço. A amarração finalmente tinha funcionado. E tudo foi atribuído à tal cartomante porreta, tiro e queda, que tinha acertado na fórmula mágica da amarração da cueca.
- Dona Diva, quando a senhora precisar “amarrá” seu Divo é só me “entregá” uma cueca dele, tá?
Só mesmo na minha casa acontecem essas coisas. Mereço?


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe aqui o seu comentário!