É proibida a reprodução não autorizada dos textos deste blog, de acordo com a Lei nº9.610, de 19 de fevereiro de 1998, que regula os direitos autorais.

Apresentação

Este blog nasceu no blog Janela das Loucas, onde assinava "Diva Latívia". Ali permaneci durante muito tempo, como autora principal das crônicas do blog. Redescobri que escrever é vital pra mim, guiada e editada por Abílio Manoel, cantor, compositor, cineasta e meu querido amigo. O Janela das Loucas não existe mais, Abílio foi embora pro Céu. Escrevo porque tenho esse dom divino, mas devo ao Abílio este blog, devo ao Abílio a saudade que me acompanha diariamente. Fiz e faço deste blog uma homenagem a aquele que se tornou meu irmão, de alma e coração. Aqui o tema é variado: cotidiano, relacionamentos e comportamento, em prosa e versos.







20 de ago de 2012

AR, AR...


Eu observava quietinha, à distância, minha avó usar a tal da bombinha para a tal da asma. Um artefato de borracha de cor amarronzada, com outro artefato para bombear o ar em uma ponta, uma pequena mangueirinha de alguns centímetros de comprimento e estreito diâmetro. Na outra ponta, uma espécie de cálice de vidro cor de caramelo. Era a bombinha para asma de antigamente. Havia um broncodilatador que era usado nessa alquimia esquisita. Chamava-se ... Chamava-se... Não sei escrever, afinal naquela época eu sequer sabia ler! Minha avó chamava o remédio de “dispiné inhal”. Possivelmente, o nome era estrangeiro e a sua pronúncia correta deveria ser um tanto diferente. O que importa é que a vovó, pra onde fosse, carregava a sua bombinha e o vidrinho do tal do “dispiné inhal”.
Era curioso, interessante assistir a toda a operação. Primeiro, ela abria a gaveta de seu criado-mudo. De lá, retirava a bombinha. Então, abria o vidrinho do tal do broncodilatador e depositava uma quantidade a gosto no cálice de vidro. A seguir, aprumava as costas, segurava o ar e bombeava o líquido pela boca.
Então, permanecia calada, as narinas tentando absorver o ar. Vovó devia sofrer terrivelmente. Isso na década de 60, quando a poluição ainda engatinhava, sequer se aproximava dos alarmantes índices atuais.
Asma. Esse nome sempre pareceu horrível! Tão pequena, confundia asma com alma. Cheguei a confidenciar baixinho para meus coleguinhas de escola: a vovó tem asma penada! A história foi adiante e, por fim, acharam que eu morava em uma casa mal assombrada. Até que era mesmo mal assombrada, mas isso é outra história.
O tempo passou, a vovó usou sua bombinha até o fim de sua vida, aos oitenta e três anos de idade.  Foi-se, vitimada pela asma penada, em um inverno que a arrebatou desta vida.
E eu sempre tive horror de falta de ar. Uma vez, usei inseticida demais para matar uma barata que caminhava no banheiro da minha casa. A danada correu para dentro do armário sob a pia. Eu abri o armário, agachei-me e espirrei imensa quantidade do veneno, sem visualizar a nojentinha. Nem sinal dela, resolvi ver com meus próprios olhinhos.  Enfiei a cabeça dentro do armário e ali entalei. Respirei o veneno por um bom tempo e, pior que isso, lá estava a barata a sacolejar-se, moribunda. Eu gritava, a barata em pleno falecimento e de barriga pra cima. Por fim, tanto me debati que consegui sair de dentro do armário. Tonta, completamente tonta e com falta de ar. Bebi leite, lavei o rosto, telefonei pro médico, precisei tomar antialérgico.  Foi uma crise de asma penada da barata!
Anos a fio, jamais tive uma só crise de bronquite, rinite, sinusite, nenhuma ite. Porém, eis que agora eu poderia mudar meu nome para Divite! A bronquite que me maltrata há mais de três semanas é uma bronquite asmática! A falta de ar lembra um motor a falhar. E eu, que uso agora uma bombinha moderna, ao menos durante esta crise, já estou a correr para um médico homeopata. Tudo, menos tornar-me escrava de medicações com efeitos colaterais nocivos!
Asma penada. Alma penada. Eu, asmática. Dizem, herança genética.  Coisa da minha alminha que sofreu com as avarias penadas deste mundo, avarias que, por vezes, vieram do tempo da vovó. Ar, ar, eu preciso respirar! Meu oxigênio chega em letrinhas que brotam em minha cabeça. Inspiro e respiro!


2 comentários:

Larissa Canziani disse...

Adorei! Parabéns pelo blog e por sua dedicação, espero a sua visita, e participe dos sorteios *-*'

http://larissacanziani.blogspot.com.br

Cláudia Cavalcanti disse...

Larissa,

Obrigada pela visita e pelo comentário. Visitarei o seu blog.

Um beijo

Postar um comentário

Deixe aqui o seu comentário!