É proibida a reprodução não autorizada dos textos deste blog, de acordo com a Lei nº9.610, de 19 de fevereiro de 1998, que regula os direitos autorais.

Apresentação

Este blog nasceu no blog Janela das Loucas, onde assinava "Diva Latívia". Ali permaneci durante muito tempo, como autora principal das crônicas do blog. Redescobri que escrever é vital pra mim, guiada e editada por Abílio Manoel, cantor, compositor, cineasta e meu querido amigo. O Janela das Loucas não existe mais, Abílio foi embora pro Céu. Escrevo porque tenho esse dom divino, mas devo ao Abílio este blog, devo ao Abílio a saudade que me acompanha diariamente. Fiz e faço deste blog uma homenagem a aquele que se tornou meu irmão, de alma e coração. Aqui o tema é variado: cotidiano, relacionamentos e comportamento, em prosa e versos.







24 de ago de 2012

PALAVRAS A BROTAR

Não, leitora querida. Não, leitor querido. Você não está abandonado por mim. A bronquite e todos os demais "ites" furtaram o ânimo para alinhavar minhas histórias. Porém, estava a repousar e refletir, isso na penumbra dos meus aposentos, quando tive um delírio delicioso. Quiçá, um lampejo criativo e febril? Visualizei um notebook despejando frases ao vento, imaginei meu blog a espalhar ideias nascentes a cada sorriso,  ao franzir de testa de leitores e olhar marejado de personagens anônimos: vocês.
Abracei as frases, como quem junta brinquedos infantis espalhados no tapete da sala. O que será saúde, afinal? Além de saudação e forte desejo de bem estar físico, saúde é harmonia, equilíbrio, ordem interior. Desordenada, desorganizada, maluca, pirada, Diva Latívia! Reflito publicamente, com sua permissão, neste espaço que é público, tão público quanto a pracinha ajardinada pertinho de casa. Onde terei escorregado, derrapado, perdido o fio da meada? Adoecer é desarmonizar-se.
O delírio, asfixiante, entre uma crise de falta de ar e uma lágrima delirante, devolveu a luz ao final do túnel. Amanheci com as habituais profundas olheiras, que lembram os poetas românticos e suas estrofes dramáticas, problemas pulmonares incuráveis. O meu mal também é do século, porém moderníssimo: deprimi!
Resgatar em mim a força criativa, brincar de roda com as palavras, esconde-esconde metafórico, um pega-pega de letrinhas. Homeopaticamente, recupero-me. Vida, não a levarei tão a sério, não mais. Palavras a jorrar do notebook, palavras coloridas em tons alaranjados e esverdeados. Palavras com sabor de tangerina e kiwi. Frescas, nutritivas, suculentas. Alimento, medicamento, alento: escrevo, portanto crio e vivo!  Brotei.



Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe aqui o seu comentário!