É proibida a reprodução não autorizada dos textos deste blog, de acordo com a Lei nº9.610, de 19 de fevereiro de 1998, que regula os direitos autorais.

Apresentação

Este blog nasceu no blog Janela das Loucas, onde assinava "Diva Latívia". Ali permaneci durante muito tempo, como autora principal das crônicas do blog. Redescobri que escrever é vital pra mim, guiada e editada por Abílio Manoel, cantor, compositor, cineasta e meu querido amigo. O Janela das Loucas não existe mais, Abílio foi embora pro Céu. Escrevo porque tenho esse dom divino, mas devo ao Abílio este blog, devo ao Abílio a saudade que me acompanha diariamente. Fiz e faço deste blog uma homenagem a aquele que se tornou meu irmão, de alma e coração. Aqui o tema é variado: cotidiano, relacionamentos e comportamento, em prosa e versos.







23 de set de 2012

FORA DO AR


Tremenda falta de imaginação voltar ao mesmo tema. Hoje, de novo, é domingo! A semana, nada inspiradora, devorou as horas. Tempo que é bom, nada! Terça, quarta-feira, sei lá, voltei do trabalho mais cedo. Entrei em casa, descalcei os sapatos, monologuei qualquer coisa a respeito da liberdade: lar, doce lar! Notei que estava sem conexão da internet. Mexi, remexi, conectei fios, desconectei da tomada, falei um palavrão, dois. Telefonei para a prestadora do péssimo serviço de internet:  - Senhora, por favor desconecte o fio da tomada, conecte. Falei outro palavrão. Ao menos eu já não estava monologando, era um diálogo. Pobre atendente da péssima operadora de internet! Respondeu algo mais ou menos assim: - Pois não, senhora.
Ser mandado para onde  o sol não bate e simplesmente agradecer? Isso derruba qualquer espírito de porco. Nocauteada, restou-me pedir desculpa e agendar dia, horário para um técnico da porcaria da operadora de internet vir ao meu lar, doce lar.
Um dia sem conexão. Deu de tudo um pouco: fissura, barato, loucura, claustrofobia! Sim, claustrofobia! Descobri que minha casa tem quatro paredes espremidas entre o chão e o teto. Longe do resto do mundo, feito passarinho engaiolado. O mundo lá fora rodando ligeiro e eu incomunicável.
O tal do técnico, da tal da operadora pavorosa de internet,  chegou ao meu apartamento munido de cara feia e maleta preta. – Qual o problema, senhora?
Vontade de contar todos os meus problemas, a começar pela sensação de asfixia e aquela tal “gana” de “esganar” alguém.  Busquei em minhas entranhas algo melhor que um pum, encontrei uma resposta meio civilizada: - Por favor, conserte!
Uma hora de mexe e remexe naquilo o que pra mim é mais sagrado. Não, senhor, não, senhora! Ninguém mexeu no meu traseiro, nem adjacências! O que há de mais sagrado é o meu computador! Um notebook já rodado, fora da garantia e que nunca deu pau (amém). Sujeito folgado, não pediu licença para adentrar em minhas configurações e etc. Meia hora engolindo puro fel. Minhas garras estavam afiadas, eu era puro estresse.
- Pronto senhora, já está consertada a sua conexão da internet!
Fiz o test drive. Nada melhor que beber com sede, comer com fome, dormir com sono e navegar na internet depois de um dia sem conexão.Aos poucos voltei à minha “normalidade”. Chequei e-mails, visitei o Facebook, respondi mensagens. Meu blog tinha alcançado 80 mil visitas, escrevi um texto breve e comemorativo. Leve e solta, do outro lado do mundo, sem paredes, sem limites. Asas cibernéticas acionadas na ponta dos meus dedos, palavras que giram por aí. Livre, enfim!



Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe aqui o seu comentário!