É proibida a reprodução não autorizada dos textos deste blog, de acordo com a Lei nº9.610, de 19 de fevereiro de 1998, que regula os direitos autorais.

Apresentação

Este blog nasceu no blog Janela das Loucas, onde assinava "Diva Latívia". Ali permaneci durante muito tempo, como autora principal das crônicas do blog. Redescobri que escrever é vital pra mim, guiada e editada por Abílio Manoel, cantor, compositor, cineasta e meu querido amigo. O Janela das Loucas não existe mais, Abílio foi embora pro Céu. Escrevo porque tenho esse dom divino, mas devo ao Abílio este blog, devo ao Abílio a saudade que me acompanha diariamente. Fiz e faço deste blog uma homenagem a aquele que se tornou meu irmão, de alma e coração. Aqui o tema é variado: cotidiano, relacionamentos e comportamento, em prosa e versos.







8 de out de 2012

12 DE OUTUBRO


Semana mais curta, hoje é segunda, mas na prática hoje é terça-feira. Duvida? Faça as contas: sexta-feira será feriado nacional. Dia de Nossa Senhora Aparecida, santinha bonitinha, padroeira do Brasil. Mas, cá entre nós, bom mesmo é que sexta-feira, além de ser feriado, é o Dia das Crianças.
Antigamente, no Dia das Crianças, as freiras do colégio onde eu cursava o antigo primário, promoviam uma festinha com a presença dos pais das alunas. Que horror, lembro que havia um toque militar naquela formação organizada, as crianças todas enfileiradas. Ai daquela que sentisse vontade de fazer xixi, espirrasse, ou fizesse tchauzinho pra mãe, pra avó. Linha dura, criança tinha que obedecer aos adultos e ponto final. Um tormento, no pátio da escola se formava um imenso círculo, uma roda de alunas que  ao som de “criança feliz” giravam cabisbaixas, mãos para trás, sem noção, sem explicação. Ordens são ordens. Assim foi criada a minha geração, praticamente batendo continência. Idos anos 60 e 70!   “Criança feliz, feliz a cantar. Alegre a embalar seu sonho infantil”.  Se havia alegria, estava longe de mim tal sensação.
Que Nossa Senhora Aparecida me perdoe, sei que havia exceções, mas aquela época não me traz boas recordações, lembro da ditadura militar, da ditadura familiar e da ditadura das freirinhas do colégio, momentos nada felizes, sonhos infantis controlados, enfileirados, podados. Ser criança não era tão fácil quanto é agora. Queria ser criança do século 21!
A alegria dessa data ficava por conta da minha família. Lembro que, certa vez, recebi do meu pai um presente especial, um kit de mágica. Ah, o papai, ele era brincalhão, quando faltava energia elétrica usava a pouca iluminação, luz de velas, para ensinar a fazer com as mãos sombras na parede, em formato de pássaro, macaco, coelho. Ríamos todos, isso se eternizou em meu coração.
Antigamente um  presente do Dia das Crianças era apenas uma lembrancinha, algo simples, tal como um baralho do jogo do mico, um saquinho com pinos mágicos, um livro, um saquinho de balas. O consumismo ainda não havia acometido nossas vidas. Minha geração não ia às lojas de brinquedos e esperneava histericamente, feito alguns rebentos atuais: - " Compra! Compra! Eu quero! Me dá! Buáááááááá!". Isso é coisa da geração seguinte à minha. Ah, os filhos, esses foram criados sem filas, sem linha dura. Outro problema, os extremos jamais funcionaram a contento. Nem tanto ao mar, nem tanto à terra. Regras demais, regras de menos, nada bom isso. Sou da geração salsicha do hot dog. Minha geração obedecia aos pais e décadas mais tarde obedece aos filhos. Obediente, portanto, essa minha geração.
Falei do meu pai? Hoje completa treze anos que ele partiu rumo ao infinito. Espero que tenha se transformado em uma estrela, que brilhe com jeito divertido no firmamento, que faça as estrelas ao seu redor rir sem parar. Foi bom ser criança e ter momentos breves, alguns leves, acompanhada desse alguém, que às vezes fez o bem. Esperar perfeição de nossos pais, isso é  exigir demais.
Minha infância transcorreu normalmente, do jeito que a infância de uma criança deveria transcorrer. Obediente, mas nem tanto, ainda tenho marcas, cicatrizes de tombos de árvores, quedas de bicicleta, até mesmo do estouro de bombinhas eu trago cicatrizes. Fui moleca! Naquela época a gente brincava na rua, esqueçam o que acontece agora com a falta de espaço e crianças brincando em brinquedotecas de condomínios sofisticados que, de fato, são cortiços verticais.  A gente era feliz, apesar das ordens, apesar das freiras, apesar dos pais. Ser criança era simples demais!
Quer uma sugestão? Seja criança, não cresça. Ser adulto não tem graça, a gente para de brincar, ganha rugas de preocupação, se chateia e chateia quem está ao nosso redor. É muito chato ser adulto!  Hoje sinto saudade da infância, sinto saudade da inocência, da felicidade desinteressada. Hoje, de um modo indulgente, sinto saudade do meu pai!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe aqui o seu comentário!