É proibida a reprodução não autorizada dos textos deste blog, de acordo com a Lei nº9.610, de 19 de fevereiro de 1998, que regula os direitos autorais.

Apresentação

Este blog nasceu no blog Janela das Loucas, onde assinava "Diva Latívia". Ali permaneci durante muito tempo, como autora principal das crônicas do blog. Redescobri que escrever é vital pra mim, guiada e editada por Abílio Manoel, cantor, compositor, cineasta e meu querido amigo. O Janela das Loucas não existe mais, Abílio foi embora pro Céu. Escrevo porque tenho esse dom divino, mas devo ao Abílio este blog, devo ao Abílio a saudade que me acompanha diariamente. Fiz e faço deste blog uma homenagem a aquele que se tornou meu irmão, de alma e coração. Aqui o tema é variado: cotidiano, relacionamentos e comportamento, em prosa e versos.







23 de out de 2012

O FIM DO RELACIONAMENTO



E quem semeia pé de vento colhe furacão.
Os relacionamentos amorosos deveriam ser tão longos, previsíveis e estáveis quanto foi o casamento dos meus avós. Porém, a vida nem sempre é assim. Altos e baixos. Baixos e baixos, mais baixos... Enfim... É uma pirambeira!
Eu já declarei isso anteriormente, mas nada custa repetir: minha certidão de casamento é tão extensa que parece uma “capivara policial”. Casei, separei, divorciei, casei. Enfim, o único estado civil que eu ainda não provei é o de “viúva”.
Qual será o primeiro sinal de alerta, o primeiro indício de que um relacionamento amoroso está indo pro beleléu? A falta de beijos na boca? A falta de tesão de ambas as partes? As visitas fugidias dele aos sites pornôs enquanto ela trabalha? As brigas reincidentes por conta de bobagens? A falta de planos  em comum para o futuro?  Aquelas férias sonhadas que precisaram ser canceladas porque ele não quer viajar? A sacanagem do orçamento financeiro mensal, quando um arca com  mais despesas do lar que o outro?
Quantas divergências podem atormentar a vida de um casal à beira do abismo? A prévia do adeus é longa, demorada, dói aguda feito um dente cariado. O desamor dói!  Desamar. Desfazer. Desatar. Separar!
O primeiro momento é de dor, torpor. O segundo momento é de solidão, desordem. Nem quero pensar nisso, prefiro não lembrar.Quando aquele jeito dele se sentar esparramado no sofá deixa de ser bonitinho e passa a ser invasão de território, isso é o começo do fim. Quando a conchinha acolhedora do momento de dormir passa a ser a causa da insônia, isso é o começo do fim. Quando aquele jeito dele se vestir se torna deselegante. Quando o sorriso dele tem um defeito. Quando o perfume dele é enjoativo. E tudo o mais é um pulo no escuro: ou vai, ou racha!
Vida e seu ciclo. Gente que vai, gente que vem. Relacionamentos longos, duradouros, equilibrados, coisa rara! Voltar ao mercado dos solteiros, ser experimento, cobaia, momento? Começo a vislumbrar a positividade da solidão, do celibato, da reciclada castidade. Desfaz-se um laço, sabiamente não foi nó!

Texto baseado no relato de uma leitora, recém-separada. Há de surgir um novo sorriso, uma nova energia, um novo amor!






Um comentário:

Srtª Encalhada Encalhada disse...

Eu recebi o Prêmio Dardos, o mais prestigiado e desejado do mundo dos blogs! E com muito carinho o dedico à você! Veja no Blog e repasse também! Você merece! http://blogdaencalhada.blogspot.com.br/2012/10/premio-dardos-o-dardo-de-amor-e.html

Postar um comentário

Deixe aqui o seu comentário!