É proibida a reprodução não autorizada dos textos deste blog, de acordo com a Lei nº9.610, de 19 de fevereiro de 1998, que regula os direitos autorais.

Apresentação

Este blog nasceu no blog Janela das Loucas, onde assinava "Diva Latívia". Ali permaneci durante muito tempo, como autora principal das crônicas do blog. Redescobri que escrever é vital pra mim, guiada e editada por Abílio Manoel, cantor, compositor, cineasta e meu querido amigo. O Janela das Loucas não existe mais, Abílio foi embora pro Céu. Escrevo porque tenho esse dom divino, mas devo ao Abílio este blog, devo ao Abílio a saudade que me acompanha diariamente. Fiz e faço deste blog uma homenagem a aquele que se tornou meu irmão, de alma e coração. Aqui o tema é variado: cotidiano, relacionamentos e comportamento, em prosa e versos.







19 de jan de 2013

NAMORAR X FICAR

Começo de namoro, aquela coisa gostosa, o tempero da paixão. Que momento bom de viver! Mas, será que é namoro, ou apenas estão “ficando”? Pergunto isso porque namoro é algo muito sério, assumir que está namorando é quase assumir que se casou! Namoro se tornou algo comprometedor ultimamente.  Então, estar apaixonado, ou apaixonada, estar vivenciando um relacionamento amoroso com alguém pode significar que você seja “ficante”, coisa que antigamente receberia uma preconceituosa  tarja preta: “caso”! Nossa, Fulaninha, aquela lá, está tendo um caso com Fulaninho, aquele lá! Mulher tendo caso era sinal de “pouca vergonha”. Desavergonhada! Hoje em dia estar tendo um caso significa que ela está ficando.  Ficando com quem? Sei lá, provavelmente nem ela mesma sabe com quem ela ficou.
Como diz aquele refrãozinho popular: ema, ema, ema, cada um com seus problemas! Para todo mundo o tempo passa, após os 25, 30, 40 anos de idade não assumir a responsabilidade de assumir um namoro, isso é demonstração de falta de maturidade. Eternizar adolescência, além de ser ridículo, demonstra irresponsabilidade. Talvez, a raiz do problema esteja na falta de experiências durante a vida dessas pessoas. Ter bons exemplos ao longo da vida ajuda muito a aprender, ainda que sem namorar, o que é ter um compromisso amoroso  com alguém. Pai e mãe, pra começo de conversa. Quem viu os pais se abraçando, beijando, se declarando apaixonados, ainda que em altos e baixos do relacionamento, sabe que relacionamento amoroso, ainda que depois de muitos anos, pode e deve ser feliz.
Medo de se envolver por que? Talvez, a necessidade de não se sentir preso a alguém seja confundida com a falsa ideia de liberdade. O que é a liberdade, afinal de contas? Liberdade é poder escolher. De que adianta ser livre e não assumir suas escolhas, não cuidar daquilo o que escolheu? Relacionamentos breves, superficiais, que sequer chegam a florescer. Ficar. Ficar com um, ou com uma. Com dois, ou duas. Com três, quatro. Multiplicidade de parceiros, sem compromisso, aquela coisa do “quero mais é beijar na boca!”. Isso cansa e, pior que isso, alguém acaba se machucando. Duvida disso? Experimente apaixonar-se por alguém, descobrir que essa pessoa está ao seu lado apenas para ter bons momentos. Descubra que se apaixonou por alguém que não quer um futuro ao seu lado, uma vida em comum. Relacionamento descartável, de quinta categoria.
Medo de envolvimento, medo de repetir erros do passado, medo de sofrer. Arrastar consigo os fantasmas do passado, os ex, as ex.  Aí aparecem os quarentões, cinquentões e gente mais velha querendo também ficar. Talvez, o ideal fosse correr pro divã de um psicanalista. E, então, depois de alguns anos a gente reencontra aquela amiga, aquele amigo de tantos anos e pergunta: e aí, você casou novamente? Resposta: Nem pensar, agora eu quero mais é viver!
Pois que vivam, mas penso eu que aqueles que não se aprofundam nos relacionamentos não vivem, apenas sobrevoam a vida. Ema, ema,ema...

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe aqui o seu comentário!