É proibida a reprodução não autorizada dos textos deste blog, de acordo com a Lei nº9.610, de 19 de fevereiro de 1998, que regula os direitos autorais.

Apresentação

Este blog nasceu no blog Janela das Loucas, onde assinava "Diva Latívia". Ali permaneci durante muito tempo, como autora principal das crônicas do blog. Redescobri que escrever é vital pra mim, guiada e editada por Abílio Manoel, cantor, compositor, cineasta e meu querido amigo. O Janela das Loucas não existe mais, Abílio foi embora pro Céu. Escrevo porque tenho esse dom divino, mas devo ao Abílio este blog, devo ao Abílio a saudade que me acompanha diariamente. Fiz e faço deste blog uma homenagem a aquele que se tornou meu irmão, de alma e coração. Aqui o tema é variado: cotidiano, relacionamentos e comportamento, em prosa e versos.







21 de fev de 2013

AS QUATRO MARIAS


Quatro Marias: Maria da Luz, Maria Rosa, Maria das Graças e Maria do Prazer.
Maria da Luz tinha olhos muito verdes, mãos delicadas, dedos longos. Cabelos castanho claros, lisos e bem cuidados. Altiva, esguia, elegante.  Moça bonita, assim era Maria da Luz. O que estragava sua formosura era seu jeito sério, carrancudo, não era muito de prosa a Maria da Luz.
Maria Rosa herdou de sua mãe os olhos castanhos, suas mãos eram rechonchudas, dedos gordinhos, porém harmoniosos. Cabelos loiros e cacheados. Não era tão bonita quanto a Maria da Luz, sua irmã mais velha, mas irradiava beleza e simpatia inexplicável ao sorrir com os olhos. Assim era Maria Rosa.
Maria da Luz depressa se casou, tinha apenas dezessete anos quando seu pai lhe arranjou um pretendente, um doutor formado em medicina na Federal do Rio de Janeiro. Teve um filho, dois e três. Raramente sorria a Maria da Luz, simplesmente vivia, aceitava seu destino sem questionamento.
Maria Rosa ficou pra titia, assim era o que parecia. De fato, tornou-se amante de um político importante daquela época, 1934. Ganhou casa longe da cidade, com empregados, automóvel e móveis de luxo. Vivia coberta de riqueza e de  mimos a Maria Rosa, que apesar de não ser tão formosa ,levava uma vida confortável às custas de seu poderoso “patrocinador”.
Aos trinta e seis anos faleceu Maria da Luz, disse o médico da família que uma mulher não deveria parir velha daquele jeito. Morreu de parto ao dar à luz uma menina, a Maria das Graças. O pai, viúvo inconformado, assistiu o parto impotente, sem nada poder fazer, na qualidade de médico, pai e marido. Assim que pegou a pequena Maria das Graças em seus braços decidiu: a menina era a culpada pela morte de sua amada Maria da Luz, pois que fosse entregue a  algum parente, que fosse criada longe de si e dos demais filhos do casal.
Após o enterro de Maria da Luz, Maria Rosa levou consigo a pequena sobrinha, a órfã miudinha e frágil. A menina tinha sete anos de idade quando o político que se relacionava com Maria da Luz faleceu e deixou em nome de sua tia um quarteirão inteiro com imóveis na região do bairro de Santa Ifigênia.
Maria da Luz matutou, matutou e resolveu: abriria um puteiro de luxo, algo que a tornaria ainda mais rica e levaria adiante aquilo o que ela mais prezava na vida: alegria e prazer. Assim pensando, tornou-se famosa cafetina da cidade. Maria das Graças, na casa que ficava a duzentos metros do estabelecimento, fugia ocasionalmente de casa e, às escondidas, espiava a movimentação do bordel, cheia de curiosidade.
As coisas iam mal durante a segunda guerra mundial, era 1940 quando, prestes a fechar as portas do puteiro, Maria da Luz teve a ideia de alavancar o negócio com uma  grande atração. Maria das Graças foi leiloada, usando o uniforme do colégio de freiras que frequentava. Tinha apenas treze anos de idade e quem a levou foi um homem gordo, bêbado, um dos políticos mais poderosos da época.
Não mais saiu da vida de puta a Maria das Graças. Enriqueceu assim, no meio dos ricos e poderosos. Bonita, tão bonita quanto tinha sido sua mãe, Maria da Luz. Fogosa, tão fogosa quanto tinha sido sua tia, Maria Rosa. Em 1960, rica e embrenhada no meio de ricos, famosos e poderosos,  mudou-se para Brasília, a nova capital.
Sua filha, Maria do Prazer, herdou da mãe uma rede de motéis e prostíbulos na cidade. Seu pai é conhecido, mas a identidade do sujeito foi preservada, por motivos políticos. Maria do Prazer se candidatou a um cargo político. Talento hereditário, coisa de berço. Empresária próspera, não precisou ingressar na carreira de puta, tornou-se mulher da política. O lema de sua campanha eleitoral foi: "a moral familiar em primeiro lugar”. Foi eleita e reeleita, com louvor. Se orgulha de ser a ovelha negra da família, de não ter seguido a profissão de suas antepassadas. Essa é a história das quatro Marias.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe aqui o seu comentário!