É proibida a reprodução não autorizada dos textos deste blog, de acordo com a Lei nº9.610, de 19 de fevereiro de 1998, que regula os direitos autorais.

Apresentação

Este blog nasceu no blog Janela das Loucas, onde assinava "Diva Latívia". Ali permaneci durante muito tempo, como autora principal das crônicas do blog. Redescobri que escrever é vital pra mim, guiada e editada por Abílio Manoel, cantor, compositor, cineasta e meu querido amigo. O Janela das Loucas não existe mais, Abílio foi embora pro Céu. Escrevo porque tenho esse dom divino, mas devo ao Abílio este blog, devo ao Abílio a saudade que me acompanha diariamente. Fiz e faço deste blog uma homenagem a aquele que se tornou meu irmão, de alma e coração. Aqui o tema é variado: cotidiano, relacionamentos e comportamento, em prosa e versos.







21 de fev de 2013

UMA CARTA DE AMOR, TIPO ASSIM...


-Tanta coisa pra dizer, por que não escreve sobre coisas belas?
-A vida não é bela!
-Claro que é, lembra aquele filme?
-Tá louca? O filme conta uma história triste, sobre a guerra!
-Ué, eu pensei que A Vida é Bela fosse a história daquele cara dos filmes em preto-e-branco, aquele da bengalinha, o Carlitos!
-Charlie Chaplin. Não, A Vida é Bela não tem nada a ver com ele.
-Por que você não escreve uma carta de amor, alguma coisa assim, bem bonita?
-Carta de amor pra quem?
-Ah, pode ser de verdade, ou de mentira, não funciona tipo assim?
-É sim, tipo assim.

E foi assim que resolvi escrever uma carta de amor, tipo assim...

Não há, entre todas as palavras que já escrevi, entre todas as palavras que já li, uma só palavra que possa definir o que sinto. Ganho e perda, preto e branco e colorido, amor e amigo, perto e longe, ontem e hoje, com e  sem, vai e vem.  Amor,  amor no mais bonito e harmonioso sentido. 
Você, que em fração de segundo me tira do trilho, me faz rir sozinha e rodopiar feito bailarina, descalça, sobre o tapete.  Que me faz chorar, feito menina. 
Se é verdade, ou mentira, o que importa é que esta mensagem seja lançada ao mar, para que navegue até você e, então, o faz de conta acabe aqui.

-Gostou?
-Não entendi nada, quem é ele?
-Não era pra inventar, não foi você quem disse que poderia ser de mentira?
-Com tanto sentimento? Mentira nada!
-Nisso que dá te ouvir. Vou imprimir e jogar no mar, tchau.

2 comentários:

Deborah Spadotto disse...

Essa minha amiga escreve bem que é uma beleza!!! Rs
Bj

Cláudia Cavalcanti disse...

Débora,

Muito obrigada,também admiro sua arte e seu talento. Beijo.

Postar um comentário

Deixe aqui o seu comentário!