É proibida a reprodução não autorizada dos textos deste blog, de acordo com a Lei nº9.610, de 19 de fevereiro de 1998, que regula os direitos autorais.

Apresentação

Este blog nasceu no blog Janela das Loucas, onde assinava "Diva Latívia". Ali permaneci durante muito tempo, como autora principal das crônicas do blog. Redescobri que escrever é vital pra mim, guiada e editada por Abílio Manoel, cantor, compositor, cineasta e meu querido amigo. O Janela das Loucas não existe mais, Abílio foi embora pro Céu. Escrevo porque tenho esse dom divino, mas devo ao Abílio este blog, devo ao Abílio a saudade que me acompanha diariamente. Fiz e faço deste blog uma homenagem a aquele que se tornou meu irmão, de alma e coração. Aqui o tema é variado: cotidiano, relacionamentos e comportamento, em prosa e versos.







9 de mar de 2013

NAS ASAS DA IMAGINAÇÃO


Na vida aprendi algumas coisas. Truques novos, truques antigos e já descobertos por outros habitantes terrenos. Uma das novidades que descobri , algo relativamente recente, é que para escrever é preciso ser meio maluco. Quem escreve imagina coisas, ouve vozes, vê vultos, ri, chora, se zanga, perdoa, se apaixona, nasce, morre e fala sozinho.  Quem escreve chega a sentir aromas, alguns totalmente estranhos. Cheiro de mato, de perfume barato, de pratos preparados para si durante a infância. Sente dor, frio, calor. Volta o passado, desenterra os mortos. Amanhece adolescente, renasce dolorosamente, no final do dia dá à luz um novo texto e depois adormece um ancião, carregado de sabedoria. Eu, que escrevo, sou uma e tantos outros, cada qual à sua maneira, sou homens e sou mulheres, com personalidades e anseios diversos: personagens!
Assusta-me a viagem que faço para dentro de mim, seguida das crises de total ausência de atenção a coisas banais durante o dia. Lá estava eu, a trabalhar, quando algo me chamou a atenção. Um antigo peso de papel, daqueles com formato de bola de vidro. Viajei nas asas da imaginação, a observar o objeto contra a luminosidade que vinha da janela. Lembrei do peso de papel do escritório do meu avô, eu com quatro, cinco anos de idade. Admirei o reflexo raiado de sol e cores diversas, como se sentiria aquele peso de papel? Voltei para o mundo sendo observada por alguém que, certamente, achou que eu estava tendo uma crise psicótica, ou algo assim. Eu estava longe dali, tão longe que exclamei sozinha, em alto e bom som : - Achei! Vou contar a história do antigo escritório do Vovô! Quem ali me observava franziu a testa e murmurou algo frio, incompreensível: - Diva, você está bem? E foi assim que aterrissei na realidade, eu estava ali, no escritório, tramando um novo texto. Terei falado sozinha? Terei feito careta? Impossível saber, a inspiração me leva a uma espécie de transe, eu esqueço de mim, abstraio quem está ao meu redor. 
Diva Latívia, ela viaja em pensamento e esquece: a panela no fogão, o horário marcado no dentista, esquece até mesmo de carregar a bateria de seu instrumento de trabalho, o computador. Um mundo paralelo, no qual os finais podem ser trágicos, patéticos, hilários, românticos. Um mundo que imita a realidade, regido pela ponta dos meus dedos a dedilhar frases que definem o destino de gente que ganha vida a cada frase. Para escrever é preciso ser meio doido, ou fica tudo muito chato. Ler um texto chato, ninguém merece. O leitor quer entrar no texto e se deliciar, lambuzar-se divertida, ou dramaticamente.  Diva torna-se guia turística de viagens literárias.
Amanheci cheia de ideias, doida pra escrever. Escreverei sobre a edícula de minha casa de infância, o antigo escritório de advocacia de meu avô. Um dia, quando eu menos esperar, essa história tomará conta de mim e eu, que poderei estar trabalhando, cozinhando, visitando alguém, ficarei meio fora do ar, a matutar o novo texto. Normal, amanheci com meus personagens a esperar ansiosos pela sua participação em minhas estórias que, ocasionalmente, são histórias assim escritas, com “h”. Histórias que são filhas prediletas, que pari ao longo da vida e aqui amamento em prosa e versos. Mãe dos meus textos, esta sou eu, Diva Latívia.

2 comentários:

Anônimo disse...

Você não é escritora e seu blog não é obra literária. Acho isso aqui um lixo e é melhor você ir lavar louça

Cláudia Cavalcanti disse...

Olá, Anônimo, ou Anônima!

Antes de publicar seu comentariozinho ( atente para o INHO), lembrei dos ensinamentos que recebi de meu Webmaster e editor: ainda que o comentário seja indelicado, imbecil, ou idiota, publique-o, afinal estamos em uma democracia e até mesmo os parvos têm o direito a manifestar-se.
Eis o seu comentariozinho, por mim respondido. Volte sempre a este... lixo?... Ainda que para despejar suas tolices.

( Aos leitores peço desculpas, mas paciência é uma virtude que me falta ultimamente).

DIVA LATÍVIA

Postar um comentário

Deixe aqui o seu comentário!