É proibida a reprodução não autorizada dos textos deste blog, de acordo com a Lei nº9.610, de 19 de fevereiro de 1998, que regula os direitos autorais.

Apresentação

Este blog nasceu no blog Janela das Loucas, onde assinava "Diva Latívia". Ali permaneci durante muito tempo, como autora principal das crônicas do blog. Redescobri que escrever é vital pra mim, guiada e editada por Abílio Manoel, cantor, compositor, cineasta e meu querido amigo. O Janela das Loucas não existe mais, Abílio foi embora pro Céu. Escrevo porque tenho esse dom divino, mas devo ao Abílio este blog, devo ao Abílio a saudade que me acompanha diariamente. Fiz e faço deste blog uma homenagem a aquele que se tornou meu irmão, de alma e coração. Aqui o tema é variado: cotidiano, relacionamentos e comportamento, em prosa e versos.







6 de mar de 2014

DIA INTERNACIONAL DA MULHER: PARABÉNS, LEITORAS!

Mulher é raiz profunda e forte da árvore da vida. Já notaram que famílias bem estruturadas, quase sempre, tem sua base bem construída sobre exemplos, lições e gestos de amor materno? Mãe! Avó! Tia! Irmã! Esposa! Namorada! Amiga! Uma palavra, um afago e toda dor se abranda ao lado de uma boa mulher. E o que é ser uma boa mulher? Uma boa mulher é aquela que cuida, zela, protege o seu lar, a vida daqueles que ama, sem se furtar da sublime missão feminina. Não falo a respeito da escolha sexual de cada uma, nada disso, nem falo do estado civil, ou do fato de ter filhos, ou não tê-los, mas da diferença que existe entre ter, ou não ter uma mulher em sua estrutura familiar, de ter ou não ter sido abençoado pela dádiva de ter ao longo de sua vida uma mulher, com todos os predicados de uma mulher. Mulher de verdade!
Nada frágeis, somos capazes de suportar a dor do parto, a costumeira incompreensão masculina, de deixarmos de lado as aparências e sermos os braços que abraçam, as mãos que afagam cabelos desalinhados, somos os ouvidos que escutam um desabafo, os dedos que escrevem palavras reconfortantes. Uma boa mulher agrega ao seu redor a família, os amigos. Ainda que a vida leve pra longe a sua juventude, ainda que se veja momentaneamente sozinha, ainda que seus filhos não tenham nascido de seu ventre, mas do seu amor ao próximo.
Conheci e conheço boas mulheres, fui criada por avó, tia e mãe. Três boas mulheres a quem devo minha resiliência, a minha consciência tranquila ao cumprir pequenas e grandes tarefas diárias.
Não é preciso ser escrava do espelho, ter dúzias de potes de cremes faciais, maquiagem, roupas de grife. Não é preciso mudar-se para uma academia de ginástica e ter o bumbum sarado, colocar silicone pra tudo quanto é lado. Nada disso. A beleza feminina transcende a beleza física e é transmitida em detalhes singelos, no sorriso, no olhar. Somos delicadas guerreiras capazes de levar o mundo nas palmas de nossas mãos.
Essas tantas datas que inventaram! Creio que todos os dias nascem sob medida para a celebração da vida. Porém, o Dia Internacional da Mulher me faz pensar nas mulheres que vivem e, ocasionalmente, sofrem em nome do amor a seus filhos, do amor à sua família. As dificuldades do dia a dia, a ocasional falta de sorte no amor, os tantos golpes duros que enfrentam com toda a dignidade ao longo do tempo. A tão falada dupla, tripla jornada, que envolve a profissão que exercem, os cuidados com a casa, os estudos. Mulheres modernas! Adoráveis mulheres!

Uma boa mulher compreenderá tudo isso o que eu escrevi, afinal somos todas Divas de alma. Parabéns, leitoras, pelo nosso dia.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe aqui o seu comentário!