É proibida a reprodução não autorizada dos textos deste blog, de acordo com a Lei nº9.610, de 19 de fevereiro de 1998, que regula os direitos autorais.

Apresentação

Este blog nasceu no blog Janela das Loucas, onde assinava "Diva Latívia". Ali permaneci durante muito tempo, como autora principal das crônicas do blog. Redescobri que escrever é vital pra mim, guiada e editada por Abílio Manoel, cantor, compositor, cineasta e meu querido amigo. O Janela das Loucas não existe mais, Abílio foi embora pro Céu. Escrevo porque tenho esse dom divino, mas devo ao Abílio este blog, devo ao Abílio a saudade que me acompanha diariamente. Fiz e faço deste blog uma homenagem a aquele que se tornou meu irmão, de alma e coração. Aqui o tema é variado: cotidiano, relacionamentos e comportamento, em prosa e versos.







23 de abr de 2014

MÃE É MÃE, ORAS!

Estava saindo de casa apressada, mal tranquei a porta do meu apartamento e minha vizinha também saiu para o corredor. Em seu colo o pequeno Bernardo, um bebê de dez meses de idade. Gorduchinho, olhinhos muito vivos. A jovem mãe sentiu-se orgulhosa quando elogiei a beleza e graciosidade da criança. Enquanto aguardava a chegada do elevador brinquei com Bernardo, fiz gracinhas. Passou ligeiro em minha lembrança o tempo em que meu filho era assim tão miudinho, suas primeiras palavras, seus primeiros passos. Estávamos no andar térreo quando escutei Bernardo balbuciar: "Ma, ma, ma".... A mãezinha se desfez em sorrisos lindos.
Ma, ma, ma... Mamãe! Mãe é uma palavra tão doce, tão bonita! Assim que voltei pra casa tentei encontrar um livro muito antigo, tão antigo que está amarelado pelo tempo.Pra dizer a verdade, é uma verdadeira antiguidade. Minha mãe deixou o “álbum do bebê”, com fotos minhas desde quando nasci até os primeiros anos da minha infância. Tudo registrado: peso e altura que eu tinha quando nasci, o nome do médico, qual era a maternidade, as gracinhas que eu fazia. Tudo escrito com letrinha materna e caprichada. Encontrei uma mecha de meus cabelos loiros e a anotação carinhosa: “cabelinhos cortados pela primeira vez”. Busquei a informação que precisava: a primeira palavra que eu pronunciei. Imaginei que tivesse sido “Ma, ma, ma...”. Qual o quê! A primeira palavra que eu disse foi “Pa, pa, pa...”. Coitadinha da minha mãe!
Talvez, o destino tenha dado em mim o troco. Vinte e seis anos mais tarde, mais precisamente em 1987, meu filho pronunciou a primeira palavra: “Au-au”. Ma, ma, ma? Isso ele falou somente depois dele ter aprendido a falar: “pa, pa, pa”. Fiquei em terceiro lugar, medalha de bronze pra mamãe aqui.
E eu, que em um instante voltei cinquenta anos no tempo, imagino agora o futuro. Pegar em meus braços meus netinhos e ouvi-los dizer: “vó, vó, vó”... Claro, primeiro dirão au-au; pa,pa,pa; ma,ma,ma; vô, vô, vô e, se eu duvidar, até "paralelepípedo" falarão antes de dizerem palavra "vovó" os moleques. Assim é a vida. Ao menos, os últimos serão os primeiros. Mas, prefiro sair da fila desse imenso check-in e apenas curtir as delícias da vida. Ser mãe, isso é fonte inesgotável do mais profundo amor.

Ma, ma, ma... Saudade de você, mãe!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe aqui o seu comentário!