É proibida a reprodução não autorizada dos textos deste blog, de acordo com a Lei nº9.610, de 19 de fevereiro de 1998, que regula os direitos autorais.

Apresentação

Este blog nasceu no blog Janela das Loucas, onde assinava "Diva Latívia". Ali permaneci durante muito tempo, como autora principal das crônicas do blog. Redescobri que escrever é vital pra mim, guiada e editada por Abílio Manoel, cantor, compositor, cineasta e meu querido amigo. O Janela das Loucas não existe mais, Abílio foi embora pro Céu. Escrevo porque tenho esse dom divino, mas devo ao Abílio este blog, devo ao Abílio a saudade que me acompanha diariamente. Fiz e faço deste blog uma homenagem a aquele que se tornou meu irmão, de alma e coração. Aqui o tema é variado: cotidiano, relacionamentos e comportamento, em prosa e versos.







17 de jul de 2014

AOS MEUS DESTINATÁRIOS ( Vida e Amor)

Coisa boba e tão comum escrever um desabafo em um pedacinho de papel e depois rasgá-lo, jogá-lo no vaso sanitário, queimá-lo em uma espécie de ritual do fogo, picar o papel tão miudinho que nem mesmo o mais hábil perito técnico possa juntar os pedacinhos.
Ela escrevia poesias, declarações de amor dessas que fingem não ter destinatários. Depois amassava, rasgava e mandava pra dentro da privada.Até que um dia, simplesmente rasgou a poesia em partes graúdas e atirou-a  na lixeira do banheiro de modo descuidado. Pedaços de papel grandes o bastante para que pudessem ser reunidos em partes, tal e qual um quebra-cabeças.
Distraída, sequer reparou nesse detalhe: a palavra “amor” e a palavra “vida” estavam legíveis, íntegras, apesar do recipiente imundo que as acolheu. Quando o lixo foi deixado na calçada, à espera da coleta, um gatinho rasgou o saco plástico à caça de restos de comida. Os pedaços do papel da poesia voaram pela calçada, deslizaram na sarjeta e dobraram a esquina.
No ponto do ônibus estava a Manuela, desiludida e pensando bobagem, quem sabe atirar-se debaixo de um carro, ou tomar veneno? O vento soprou na sua direção e aquele pedacinho de papel escrito “vida” caiu a seus pés. Papel cor-de-rosa, caneta esferográfica azul. Manuela abaixou-se e recolheu o papel. Em seu trajeto até o escritório leu e releu a palavra "vida", enquanto refletia sobre a importância de viver e a tolice que estava prestes a cometer.
E de pensar que uma poesia picotada teria o dom de salvar a vida de alguém? É por isso que tudo o que é escrito com a alma, ainda que não seja publicado, ainda que seja deletado, ou rasgado, tem a missão de despertar sentimentos. Toda poesia tem destinatário certo, ainda que esse destinatário seja um desconhecido.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe aqui o seu comentário!