É proibida a reprodução não autorizada dos textos deste blog, de acordo com a Lei nº9.610, de 19 de fevereiro de 1998, que regula os direitos autorais.

Apresentação

Este blog nasceu no blog Janela das Loucas, onde assinava "Diva Latívia". Ali permaneci durante muito tempo, como autora principal das crônicas do blog. Redescobri que escrever é vital pra mim, guiada e editada por Abílio Manoel, cantor, compositor, cineasta e meu querido amigo. O Janela das Loucas não existe mais, Abílio foi embora pro Céu. Escrevo porque tenho esse dom divino, mas devo ao Abílio este blog, devo ao Abílio a saudade que me acompanha diariamente. Fiz e faço deste blog uma homenagem a aquele que se tornou meu irmão, de alma e coração. Aqui o tema é variado: cotidiano, relacionamentos e comportamento, em prosa e versos.







27 de out de 2014

LEMBRANÇAS DE MIM

Visitei meu próprio blog. Diva sem publicações recentes, sem lá muitas visitas. O leitor é exigente, gosta de qualidade e quantidade, tudo ao mesmo tempo. A vida tem sido árida, caro leitor, querida leitora. Vida árida, corrida e avessa aos versos meus.
Pensei no próximo texto e tramei letrinhas divertidas, qualquer coisa que os fizesse rir e imaginar quem sou, como pude imaginar coisas tão divertidas. Voltei minhas lembranças ao segundo turno da eleição presidencial. Preferi voltar à realidade dos meus dias, com ou sem eleição a vida continua.
Já estava preparada para desligar o notebook, vencida pela falta de inspiração, quando olhei para o céu. Um céu parecido com noites da minha infância. Um céu paulistano com poucas nuvens. A diferença é o excesso de edifícios, luzes que escondem as estrelas. Voltei no tempo. A infância com seus personagens, gente que partiu rumo ao infinito. O Natal com Papai Noel, pensei em minha tia Maria Luiza. Admirei um amontoado de nuvens na direção do por do sol. O que é o passar dos anos diante da imensidão do universo?
Lembrei de momentos da infância. Moema, bairro que cresceu tanto que até perdeu a graça. O casarão cor-de-rosa onde cresci, cercada de jardins e irmãos. Os adultos e suas histórias, um a um. Viajei até Águas de São Pedro, cidadezinha miúda e encantadora que abrigou feriados, férias, finais de semana inesquecíveis. O aroma da terra molhada, meus pés descalços, sonhos coloridos e tão inocentes quanto este texto, que saiu de qualquer jeito, mas carregado de lembranças que reanimaram a minha alma.
A vida anda difícil. Meus textos fogem de mim. A vida foi mais leve. O universo corre lá fora. As nuvens escondem as estrelas. No infinito estão as lembranças. A vida se tornou adulta. A criança miúda que fui ainda colhe flores no mesmo jardim.


2 comentários:

Sonia Regina Rocha Rodrigues disse...

às vezes eu me sinto assim melancólica, com saudades do tempo em que se podia ver as estrelas no céu, siris e conchas na praia, joaninhas nos jardins, nos tempos em que havia casas e poucos arranha céus.
espero que o mundo recupere a sanidade pare de matar a natureza e nos permite desfrutar de novo das coisas simples e belas, gratuitas, da beleza do universo.

Cláudia Cavalcanti disse...

Oi, Sônia!
Obrigada pelo comentário. O ser humano precisa se voltar mais para aquilo o que é simples e respeitar o meio-ambiente.

Beijo,

Cláudia

Postar um comentário

Deixe aqui o seu comentário!