É proibida a reprodução não autorizada dos textos deste blog, de acordo com a Lei nº9.610, de 19 de fevereiro de 1998, que regula os direitos autorais.

Apresentação

Este blog nasceu no blog Janela das Loucas, onde assinava "Diva Latívia". Ali permaneci durante muito tempo, como autora principal das crônicas do blog. Redescobri que escrever é vital pra mim, guiada e editada por Abílio Manoel, cantor, compositor, cineasta e meu querido amigo. O Janela das Loucas não existe mais, Abílio foi embora pro Céu. Escrevo porque tenho esse dom divino, mas devo ao Abílio este blog, devo ao Abílio a saudade que me acompanha diariamente. Fiz e faço deste blog uma homenagem a aquele que se tornou meu irmão, de alma e coração. Aqui o tema é variado: cotidiano, relacionamentos e comportamento, em prosa e versos.







25 de nov de 2014

CASAMENTO: QUANDO UM QUER, MAS O OUTRO NÃO QUER - PARTE 2


Escrevo há muitos anos e nos blogs escrevo há seis anos. Muitas publicações fizeram e fazem sucesso, porém há uma das minhas publicações que é recordista de acessos: “Casamento: quando um quer, mas o outro não quer" . http://www.divalativia.com/2011/10/casamento-quando-um-quer-mas-o-outro.html
Vou agora continuar o assunto, porque eu sei que muita gente sofre por conta desse desencontro de intenções amorosas. Ver o caminho de seus sonhos de amor bloqueado, limitado porque o par não tem a intenção de se casar, isso é uma bifurcação na estrada do relacionamento. Se você for em frente, terá que abrir mão do que deseja e não mais pensar em casamento. Se desistir do relacionamento, terá que enfrentar a dor da perda do ser amado e, talvez, ficar com aquele sabor amargo do “e se”. E se eu tivesse persistido? E se eu tivesse dado tempo ao tempo? E se eu tivesse sido mais tolerante com ele, com ela? Toda escolha, seja a de ir em frente, ou a de terminar o relacionamento, significa uma perda. Nada romântico não ter planos de futuro, especialmente depois de alguns anos de namoro. Ir em frente colocará sim em jogo o romantismo, que é fundamental para manter a chama acesa, para alimentar o amor. Tem graça se casar com alguém que é tão firme quanto uma bolinha de sabão?
Sei que, às vezes, as dúvidas acontecem porque o relacionamento ainda não amadureceu o bastante para que o casamento seja planejado, mas tem gente que está junto há dois, três, cinco anos, até mais tempo que isso e mesmo assim esses planos são frustrados porque o par não quer se casar. E aí? O que fazer? Muitos ficam tão sentidos, tristes, que pesquisam no Google o assunto, na ânsia de encontrar publicações que abordem esse tema. Um conforto, uma luz? Algumas pessoas chegam até aqui, no Diva Latívia, e se deparam com minhas publicações sobre o amor e seus desencontros. Entendo a imensa responsabilidade que é escrever para quem não conheço.
O que eu faria nessa situação, se eu namorasse alguém que depois de alguns anos não pensasse em se casar comigo? Eu terminaria o namoro! Mas não desejo isso pra ninguém, nem recomendo isso aos meus leitores. Terminaria sim, porque acredito muito naquele dizer: “quem não sabe o que quer, não merece o que tem”. Casamento, seja ele formal ou informal, é o caminho natural do relacionamento amoroso. A união de objetivos é essencial. Se um quer casar e o outro não quer casar, talvez exista amor, mas não existe a união de objetivos ( sem isso não pode haver casamento).
É uma tremenda frustração investir em um relacionamento sem parceria, sem planos, sem sonhos, sem futuro. Dizer na metade do segundo tempo que não quer se casar, isso é uma imensa falta de consideração com o par. Por isso, cara leitora, caro leitor, deixo aqui a minha opinião sobre a dor que o assola. Há muita gente no mundo, certamente alguém busca o mesmo que você. Ninguém é o sol da vida de ninguém e outras pessoas estão por aí, dispostas a ter um relacionamento feliz e duradouro, sem limitações. Mas, se você quiser continuar nesse relacionamento, saiba que a sabotagem emocional está presente e essa é a vilã do final de todas as histórias de “amor”, uma bomba que faz tic-tac e irá explodir um dia, talvez quando o casamento tiver alguns anos, quando você tiver filhos e tudo ficar muito mais difícil do que hoje, quando está namorando e pode sim escolher entre ir em frente, ou desistir de quem não sabe o que quer ao seu lado. Se ele, ou ela, disse que não quer se casar, leve isso a sério e tome uma atitude. Você pode esquecer a ideia de se casar, ou no futuro se casar com alguém que não sabe direito o que quer. 

Esta é a minha opinião e eu os convido à leitura da primeira publicação do tema.

8 de nov de 2014

O TEMPO CORRE LIGEIRO

A bateria do meu relógio de pulso havia terminado. O relógio ali parado, algo que me causava mal estar, a sensação de que a energia ao meu redor estava paralisada e precisava, com urgência, voltar a fluir. Fui ao relojoeiro e troquei por uma bateria nova. A hora certa, os ponteirinhos  a girar e girar. Parecia que o controle do meu destino estava em meu pulso esquerdo, novamente eu era dona de minha vida. 
O tempo passou, vieram as festas de final de ano, depois as férias de verão, a volta ao trabalho, os feriados, finais de semana, todos os acontecimentos felizes e difíceis do ano. E as horas a rodar e rodar.
Outro dia, quando olhei para o relógio, os ponteiros estavam novamente parados. A bateria havia, mais uma vez, terminado. Indignada, voltei ao relojoeiro e reclamei: - Outro dia troquei essa bateria!
Foi assim que descobri que havia passado o tempo: um ano e dez meses se foram, sem que eu percebesse. Com o relógio a trabalhar, sentei-me à frente do notebook e cá estou a contar-lhes essa história. 
O tempo é maratonista, medalhista de ouro das olimpíadas da vida. Corre tão depressa que parece um vulto a passar. Nesses vinte e dois meses tanta coisa aconteceu, algumas coisas mudaram, outras deixaram de ser. Ficaram tantos planos de lado, coisas por fazer. Atire a primeira bateria de relógio quem nunca se assombrou com o tempo a voar. A vida passa sem a gente perceber, é preciso viver.