É proibida a reprodução não autorizada dos textos deste blog, de acordo com a Lei nº9.610, de 19 de fevereiro de 1998, que regula os direitos autorais.

Apresentação

Este blog nasceu no blog Janela das Loucas, onde assinava "Diva Latívia". Ali permaneci durante muito tempo, como autora principal das crônicas do blog. Redescobri que escrever é vital pra mim, guiada e editada por Abílio Manoel, cantor, compositor, cineasta e meu querido amigo. O Janela das Loucas não existe mais, Abílio foi embora pro Céu. Escrevo porque tenho esse dom divino, mas devo ao Abílio este blog, devo ao Abílio a saudade que me acompanha diariamente. Fiz e faço deste blog uma homenagem a aquele que se tornou meu irmão, de alma e coração. Aqui o tema é variado: cotidiano, relacionamentos e comportamento, em prosa e versos.







25 de out de 2015

A FOTO DE NÓS DOIS ( O AMOR E O FIM DO AMOR)

Veja este retrato. Nós dois na foto desbotada pelas décadas. Invulneráveis, pensávamos assim. Amor eterno, paixão renovada pela esperança de um futuro planejado entre risos e beijos. 
A foto do primeiro Natal, lembra desse dia? O dinheiro contado. Presentes tão simples, mas havia amor. Amor... Quando paramos de nos amar? Eternidade, a vida se exibia eterna. Quando começou o nosso fim?
Olho para esta foto e o meu coração aperta. Sonhos findos, planos interrompidos. Fomos derrotados por nós mesmos. Mas o amor segue em versos, mundo afora pelo Universo. Para quem? Para onde foi o nosso amor?
Amor que vai além de mim e ecoa aqui, sem ti. Consegue ver? Está aí? Aqui está a foto de nós dois.

9 de out de 2015

JÁ QUE É DIA DAS CRIANÇAS...

Parei em frente ao notebook, a digitar e depois deletar palavras que não alcançavam a dimensão do que eu gostaria de escrever sobre ser criança.
Quase todas as conversas atuais que tenho com meus irmãos desemboca na seguinte conclusão: sentimos saudade de nossa infância.
Acho que a vida nunca foi fácil, se hoje é complicada eu creio que para nossos pais e avós não foi diferente. No entanto, esses personagens de minha família deixaram muita saudade, fizeram o papel de super-heróis, às vezes vilões incompreensíveis com suas “adultices” esquisitas.
A infância tão distante, mas tão presente.  Cresci entre gente, bichos, árvores e histórias sem mais fim.  Uma casa cor-de-rosa, com a qual sonho de modo reiterado. Nesses sonhos, meus irmãos e eu somos imortais e nossos finais são sempre felizes.
Meus dedos hesitam sobre o teclado do notebook. Um dos meus irmãos faleceu recentemente. Bebo um copo d´água, respiro fundo, tento afastar a tristeza das palavras que parecem fugir, todas elas enlutadas.
Rio sozinha, estou velha. Sim, velha! As fotos do passado são em preto-e-branco e os adultos ali fotografados, quase todos eles, já se foram para o outro mundo.  Ainda não sei o que farei com tantos objetos antigos que herdei, os apartamentos modernos são minúsculos e eu não tenho espaço disponível para guardar as lembranças, senão dentro de mim.
Se fecho os olhos consigo sentir o aroma dos livros do meu avô, no escritório de advocacia enorme instalado na parte de trás de nossa casa. Dez mil livros e eu sentia algo que hoje posso definir como “um grande barato” em meio a prateleiras altíssimas lotadas de volumes e mais volumes de códigos, leis, tratados, pareceres jurídicos. Tanto tempo, tantos anos, resta o sabor do suco de frutas batido no liquidificador, oferecido às crianças pontualmente às dez horas da manhã. Afasto-me do computador, ajeito-me na cadeira. Uma confusão que envolve  os livros, o suco de frutas, as árvores, a casa cor-de-rosa, os adultos, meus irmãos, eu criança. Às vezes eu tentava imaginar como eu seria quando crescesse. Escolho os sonhos, neles os finais são felizes, nos sonhos há a imortalidade, a viagem ao passado sem qualquer explicação lógica. 
Palavras não traduzem a ausência de todos nós, uma família que sorri inocente nas fotos em preto-e-branco. Melhor guardar novamente essas fotos. Melhor! Que ser criança seja uma escolha atemporal. Todas as vezes que vou à livraria me perco entre as prateleiras, esqueço as horas e o aroma dos livros me leva de volta ao passado. A ideia deste texto brotou na livraria, acho que falei sozinha quando a inspiração me atiçou sem piedade: - Sou o que aprendi a ser. 
No moderno notebook termino o texto e me apresso em publicá-lo no blog, antes que eu o delete novamente.