É proibida a reprodução não autorizada dos textos deste blog, de acordo com a Lei nº9.610, de 19 de fevereiro de 1998, que regula os direitos autorais.

Apresentação

Este blog nasceu no blog Janela das Loucas, onde assinava "Diva Latívia". Ali permaneci durante muito tempo, como autora principal das crônicas do blog. Redescobri que escrever é vital pra mim, guiada e editada por Abílio Manoel, cantor, compositor, cineasta e meu querido amigo. O Janela das Loucas não existe mais, Abílio foi embora pro Céu. Escrevo porque tenho esse dom divino, mas devo ao Abílio este blog, devo ao Abílio a saudade que me acompanha diariamente. Fiz e faço deste blog uma homenagem a aquele que se tornou meu irmão, de alma e coração. Aqui o tema é variado: cotidiano, relacionamentos e comportamento, em prosa e versos.







7 de jan de 2016

NO TÁXI ( Eu, senhorita)

O táxi dirigido por um senhor de cabelos brancos. Calculei que, possivelmente, tinha idade para ser meu pai. Talvez, setenta e cinco anos. Simpático, tom de voz de barítono. Olhou-me pelo espelhinho retrovisor. 
- Farei uma corridinha curta, espero que não se incomode.
- Se pagar, não importa a distância.
Fez-se longo silêncio. Abri a bolsa, peguei o iPhone para checar as mensagens.
- A senhorita trabalha na Avenida Paulista?
Apreciei o tratamento recebido. Eu, senhorita...
- Não, senhor.
Voltou a olhar-me pelo espelho retrovistor. 
- A senhorita é médica?
Achei graça. Dizem que de médicos e de doidos todos temos um pouco. Quase respondi que sou doida.
- Não, eu sou escritora.
Não sei por qual motivo disse isso. Minha profissão é outra, mas de vez em quando eu escrevo. Não é que o motorista levou isso muito a sério?
- A senhorita escreve para qual jornal?
- Escrevo para o meu blog.
- Blog? A senhorita é jornalista?
Quanta vontade de inventar uma estória. Mas, sou mais dedicada às histórias, então disse a verdade: não, senhor. 
-Vou adivinhar: a senhorita é atriz? Balancei a cabeça no sentido horizontal, pra lá, pra cá.
Muito arrependida da minha sinceridade, abri meu melhor sorriso e disse: estou aposentada.
- Tão jovem, tão bonita. Aposentada tão cedo, que pena! Mas, namora? A senhorita sai para dançar?
Namorar e sair para dançar. Realmente, estou aposentada. Tão casada e tão sem dançar, acho que perdi o rumo da prosa com o meu interlocutor.
- Afinal, a senhorita deve fazer sucesso por onde vai. Jovem e bonita.
E foi então, como diziam os antigos ( tão antigos quanto eu), que a minha ficha caiu. O motorista da terceira idade estava me paquerando.
- Não senhor, eu não tenho tempo.
- Uma pena, uma moça tão jovem e tão linda deveria dançar em Paris, com champagne e caviar. 
Meu ego, pobre coitado, até acordou e, de tão saltitante e feliz, precisei segurá-lo para não sair voando pela Avenida Paulista.
Cheguei ao meu destino, como se pesasse cinco quilos a menos, tivesse dez anos a menos. Pensando bem, cheguei ao meu destino a própria Senhorita Diva Latívia. Poderosa, em cima do salto. Escritora deste blog, estilo comigo ninguém pode.  Para dizer a verdade, esse motorista salvou meu dia! Dançar em Paris com champagne e caviar. Ideia um tanto "brega", mas gostei!

2 comentários:

Mahh Sanders disse...

Adorando seus textos! Viciante...

Cláudia Cavalcanti disse...

Obrigada, Mahh.

Beijo,

Cláudia

Postar um comentário

Deixe aqui o seu comentário!