É proibida a reprodução não autorizada dos textos deste blog, de acordo com a Lei nº9.610, de 19 de fevereiro de 1998, que regula os direitos autorais.

Apresentação

Este blog nasceu no blog Janela das Loucas, onde assinava "Diva Latívia". Ali permaneci durante muito tempo, como autora principal das crônicas do blog. Redescobri que escrever é vital pra mim, guiada e editada por Abílio Manoel, cantor, compositor, cineasta e meu querido amigo. O Janela das Loucas não existe mais, Abílio foi embora pro Céu. Escrevo porque tenho esse dom divino, mas devo ao Abílio este blog, devo ao Abílio a saudade que me acompanha diariamente. Fiz e faço deste blog uma homenagem a aquele que se tornou meu irmão, de alma e coração. Aqui o tema é variado: cotidiano, relacionamentos e comportamento, em prosa e versos.







18 de fev de 2016

AO SOM DE AT LAST! ( Eu, romântica)

Ouvi a nossa música. Antiga, mas tão atual. Ao escutar seu primeiro acorde, aumentei o volume do rádio. Fechei meus olhos e dancei com o invisível, balancei meu corpo suavemente para lá, para cá, no ritmo lento da melodia. Cantarolei desentoada: “And here we are in heaven, for you are mine at last”.
Tentei imaginar o mundo interior de quem escreveu a letra da canção At Last. Corri à Wikipedia e encontrei muita história. At Last! é escrito assim, com ponto de exclamação, de acordo com o site. A música foi composta em 1941 por dois autores: Mack Gordon e Harry Warren, para um filme chamado “Orchestra Wives”.  Não diz ali qual dos dois escreveu a letra, mas merece aplausos em pleno século 21.  Em 1961, a cantora americana Etta James lançou seu primeiro álbum, que é considerado pela revista Rolling Stone um dos 500 melhores álbuns de todos os tempos, com o mesmo nome da canção: At Last!
Tirei meus óculos de leitura. Ri de mim, para tudo preciso de pesquisa, informações muitas. Curiosa, talvez. A música já havia parado de tocar no rádio há alguns minutos quando resolvi escrever o texto. At Last!  Senti estar em um tapete mágico, sonho de mil e uma noites. Se a vida durasse um instante, o amor seria eterno. Lágrimas pingaram sobre o teclado do notebook. O mundo real me chamou de volta, tratei de lavar o rosto. No rádio tocava Djavan, “Se”. Eu, nessa de horror, tratei de seguir o roteiro do resto do meu dia. Sem mais cantarolar, dançar ou divagar. Isso faz tantos anos, se fosse um retrato estaria amarelado pelo tempo. Decidi adquirir o álbum de Etta James, algo tão antigo quanto eu, tão atual quanto o que inspirou esta história.
Para vocês deixo o vídeo com a bela canção, aqui interpretada por Beyoncé. Dancem, sonhem, balancem os pezinhos, curtam... At Last!




Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe aqui o seu comentário!