É proibida a reprodução não autorizada dos textos deste blog, de acordo com a Lei nº9.610, de 19 de fevereiro de 1998, que regula os direitos autorais.

Apresentação

Este blog nasceu no blog Janela das Loucas, onde assinava "Diva Latívia". Ali permaneci durante muito tempo, como autora principal das crônicas do blog. Redescobri que escrever é vital pra mim, guiada e editada por Abílio Manoel, cantor, compositor, cineasta e meu querido amigo. O Janela das Loucas não existe mais, Abílio foi embora pro Céu. Escrevo porque tenho esse dom divino, mas devo ao Abílio este blog, devo ao Abílio a saudade que me acompanha diariamente. Fiz e faço deste blog uma homenagem a aquele que se tornou meu irmão, de alma e coração. Aqui o tema é variado: cotidiano, relacionamentos e comportamento, em prosa e versos.







23 de nov de 2016

PAISAGEM DE CONCRETO

Uma xícara de café com um pouquinho de leite morno. Três gotas de adoçante.  Nos pés pantufas de cor lilás. Meus cabelos soltos e desalinhados, eu ainda vestida com o pijama amarelo de listras brancas. Lá fora o dia amanheceu nublado. Observo lá embaixo o cruzamento da avenida, o semáforo com defeito novamente. Motoristas apressados, as cores do farol mudam de vermelho, rapidamente, para depois verde. Os carros andam poucos metros, buzinam impacientemente. O mundo parece gritar. Bebo outro gole de café.
Quarta-feira, dia 23. Evito ler o noticiário político e econômico. Meu olhar parece ter esbarrado no olhar da moça que trabalha no escritório do outro lado da rua, ela disfarça, olha para o outro lado. Deve ter imaginado que sou boa vida, desocupada, o que faz uma mulher em casa, de pijama e despenteada, às sete e meia da manhã? Sinto pena da moça, começou cedo em sua lida, talvez seja secretária de algum executivo exigente, estressado. Começo mentalmente a escrever um conto urbano, a moça protagonista, personagem muda e triste. Lá se vai o ônibus elétrico, passa sempre nesse horário. Dentro dele trabalhadores e estudantes, gente com pouco tempo e muitos compromissos. Fecho o último botão da blusa do pijama, sinto frio.
São Paulo é mãe hostil, mãe que castiga injustamente, mãe desnaturada. Não há mais que poucos metros para meus olhos lamberem no horizonte. Edifícios encobrem as distâncias, não há paisagem a admirar, senão a de concreto. Buzinas, pressa, carros, concreto, pijama, a moça a trabalhar cedo, o jornal que evito ler, pantufas de cor lilás, meus cabelos a cair no rosto, o frio, as nuvens no céu, as cores do semáforo a colorir o asfalto úmido, São Paulo indiferente a mim, bebo mais um gole de café. Hoje é outro dia. Bom dia!