É proibida a reprodução não autorizada dos textos deste blog, de acordo com a Lei nº9.610, de 19 de fevereiro de 1998, que regula os direitos autorais.

Apresentação

Este blog nasceu no blog Janela das Loucas, onde assinava "Diva Latívia". Ali permaneci durante muito tempo, como autora principal das crônicas do blog. Redescobri que escrever é vital pra mim, guiada e editada por Abílio Manoel, cantor, compositor, cineasta e meu querido amigo. O Janela das Loucas não existe mais, Abílio foi embora pro Céu. Escrevo porque tenho esse dom divino, mas devo ao Abílio este blog, devo ao Abílio a saudade que me acompanha diariamente. Fiz e faço deste blog uma homenagem a aquele que se tornou meu irmão, de alma e coração. Aqui o tema é variado: cotidiano, relacionamentos e comportamento, em prosa e versos.







11 de mar de 2017

SERES DIGITAIS

Meus filhos são seres digitais. Pode escrever sobre isso no Diva?
Confesso que em menos de dois minutos comecei a redigir o texto. A conversa que nós duas tivemos foi digital, não sei se ela percebeu isso. Mãe de jovens, essa amiga queixou-se que as novas gerações substituíram palavras verbalizadas por palavras digitadas.  A situação é a seguinte: você quer saber onde está seu filho? Envie um WhatsApp e espere que ele leia e responda a mensagem. Às vezes, ele está no quarto ao lado, mas você não se atreve a adentrar naquele território onde não será bem-vinda a sua presença. Enviar um WhatsApp e perguntar se está com fome, por exemplo, pode parecer a princípio algo absurdo, mas costuma resolver o problema. Um mundo com sabor de isopor, de plástico, na tela de um celular.  É amargo ter filhos digitais. Onde será que perdemos o fio da meada?
Enquanto digitava este texto chegou uma mensagem para mim. Uma sobrinha no WhatsApp: “Aê, blz? Parabéns, bj”. Li e reli. Parabéns? Não era meu aniversário, nem havia ocorrido algo especial comigo. Respondi: “Oi, querida, quanta saudade. Você está bem? Meu aniversário foi em janeiro, mas muito obrigada. Beijos”. Duas horas depois ela respondeu: “Foi mals, msg errada”. Só isso, mals com S no final, com L pelo meio, mensagem errada, grafia errada e para a destinatária errada. Precisei concordar com minha amiga: seres digitais. Se ao menos a gramática fosse respeitada, isso seria um alento. Melhor seria que não escrevesse nada.
No metrô observei os passageiros, a maioria deles a digitar palavras em seus smartphones. Hipnotizados, dominados pela realidade virtual, dedos ágeis a clicar na tela dos minúsculos aparelhos, expressões faciais congeladas, olhos presos e sentidos alheios. Senti angústia, lembrei do livro “Admirável Mundo Novo”, de Aldous Huxley.  Será epidemia, será doença, será demência, será sinal do fim dos tempos? Onde está a realidade com olhos nos olhos, sorriso largo, beijo real, abraço gostoso, sem interrupções para mexer no celular, sem aquele sininho irritante e insistente que avisa a chegada de nova mensagem?
Ela só disse ao filho que iria ao pronto-socorro, o pé doía terrivelmente. O garoto não se ofereceu para acompanhá-la, estava ocupado, entretido e batendo um papo com alguém. Digitava ligeiro, de vez em quando ria.  O menino levantou-se do sofá, rumou para a porta da saída de casa, sem tirar os olhos do que lia e respondia.
Não é incomum isso. Parece que um alienígena abduziu pessoas, deixou no lugar androides que são alimentados pela luz dos smartphones. Esses androides só riem para a tela do aparelho, só se comunicam por digitação, eles dão ordens do tipo “quero almoçar”, ou “quero que passe a camisa xadrez”, “compre isso pra mim”. As poucas palavras verbais que proferem são breves, insensíveis e desconectadas da realidade órfã de pais atônitos.
Como disse Raul Seixas: "pare o mundo que eu quero descer!". Quero descer em um mundo que se comunique com palavras ditas por bocas benditas. Um mundo que se enrosque em abraços longos e salvadores. Um mundo com tempo suficiente para conversar sobre tudo e sobre nada, sem pressa, no banco da praça. Quero um mundo de afeto retribuído, com pessoas livres desse cativeiro digital. Um mundo realmente novo.


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe aqui o seu comentário!