É proibida a reprodução não autorizada dos textos deste blog, de acordo com a Lei nº9.610, de 19 de fevereiro de 1998, que regula os direitos autorais.

Apresentação

Este blog nasceu no blog Janela das Loucas, onde assinava "Diva Latívia". Ali permaneci durante muito tempo, como autora principal das crônicas do blog. Redescobri que escrever é vital pra mim, guiada e editada por Abílio Manoel, cantor, compositor, cineasta e meu querido amigo. O Janela das Loucas não existe mais, Abílio foi embora pro Céu. Escrevo porque tenho esse dom divino, mas devo ao Abílio este blog, devo ao Abílio a saudade que me acompanha diariamente. Fiz e faço deste blog uma homenagem a aquele que se tornou meu irmão, de alma e coração. Aqui o tema é variado: cotidiano, relacionamentos e comportamento, em prosa e versos.







3 de jun de 2017

DIA DOS NAMORADOS, SÓ QUE NÃO...

Dia dos namorados chegando. A pergunta que aqui chegou foi a seguinte: Diva, gente casada também comemora o dia dos namorados?

Caros leitores,

A imensa maioria das respostas para as suas indagações é por mim buscada no imenso arquivo de minhas próprias experiências. Aventuras, desventuras. Algumas antigas, outras recentes.
O último dia dos namorados, desse dia jamais esquecerei. Casada, enrolada e complicada, imaginei comemorar a data de um jeito econômico, porém romântico. Preparei um jantarzinho, acendi velas pela casa, ajeitei flores em um vaso de cristal e, para deixar o clima ainda mais festivo, escolhi música romântica, Seal cantando essas canções que a gente está cansado de ouvir.
Coloquei um vestidinho pretinho básico, salto alto, cabelos soltos, caprichei no perfume. Olhei para o relógio, passava das 21 horas e nada do meu marido chegar em casa.
Quase 21:30 achei estranho ele tocar a campainha, afinal tinha a chave da porta. Corri à frente do espelho, para checar o visual. Ele, impaciente, tocou mais duas vezes a campainha e pude ouvi-lo gritar qualquer coisa assim: - Abre logo essa porrr.... Porta ou outra coisa? Preferi entender “porta”.
Fiquei na pontinha dos pés e pude vê-lo pelo olho mágico. Havia algo em suas mãos. Fração de segundo e imaginei o que poderia ser: flores? Talvez, roupa da minha loja preferida? Champanhe?
Respirei fundo com ele chamando a porta de porra. Feio isso, dizer palavrão no corredor do apartamento, vai que as crianças do apartamento vizinho escutassem, não é mesmo?
Finalmente, com o coração aos pulos abri a porta e, antes mesmo de ouvir boa noite, ele me estendeu o que segurava nas mãos.
Sabe aquela sensação de ter tirado nota 5 na prova de matemática, depois de estudar dia e noite? Ou, a sensação de ter chovido no dia da festa preparada no quintal de casa? Foi mais ou menos essa a sensação.
O pacote enorme de rolos de papel higiênico, ele havia comprado em um atacadão, esses que vendem tudo em imensas quantidades. E havia mais: desinfetante, água sanitária, detergente e sabão em pó. Ia me passando a tralha toda, enquanto eu me equilibrava no salto alto.
Conforme ele ia me entregando a mercadoria, eu segurava o riso. Por fim, eu estava gargalhando. Provavelmente, riso nervoso. E ele, com ar indignado a me perguntar se eu estava louca. Demorou uns dez minutos para perceber que eu havia acendido velas. Tudo o mais precisei explicar, praticamente desenhar. Ele nem sabia que era dia dos namorados, aliás, não entendeu por que não o avisei previamente. Como se esse dia fosse algo exclusivo, pouco comemorado por aí.
Apaguei as velas, tirei o salto alto e calcei chinelos, prendi os cabelos e juntos bebemos a garrafa de Malbec por mim escolhida. Não antes de guardarmos toda a compra em prateleiras e armários diversos. Nada melhor que cumplicidade, fala sério, quanta originalidade, quem mais ganhou um fardo de papel higiênico nessa data? 

Casados celebram o dia dos namorados? Sim. Mas, às vezes, é melhor avisar com antecedência. Há exceções, mas só por precaução, fica a dica.